EUA, Reino Unido e França lançam ataque de mísseis à Síria

Operações militares tiveram como alvo as fábricas e paióis de armas químicas do regime de Bashar al-Assad

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou no início desta madrugada (hora de Lisboa) ter ordenado ataques com mísseis contra alvos na Síria, em resposta aos alegados ataques com armas químicas realizados pelo regime de Bashar al-Assad no passado fim de semana.

"Dei ordens às Forças Armadas dos Estados Unidos para lançarem ataques de precisão contra alvos relacionados com os armamentos químicos do ditador sírio Bashar al-Assad", afimou Trump, na Casa Branca, citado pela CNN.

A operação militar será encabeçada pelos EUA, mas contará também com a participação do Reino Unido e da França.

O Presidente norte-americano afirmou ainda que os ataques iriam perdurar até o regime sírio deixe de utilizar armas químicas.

Pouco depois da comunicação de Trump, a primeira-ministra britânica, Theresa May, emitiu um comunicado afirmado ter "autorizado as Forças Armadas britânicas para empreender ataques coordenados para danificar as capacidades de armamento químico do regime sírio e impedir o seu uso".

May recorda que "em Douma, no passado sábado, um ataque químico matou até 75 pessoas, incluindo crianças, em circunstâncias de puro horror". "Este comportamento persistente" do regime do Presidente Assad "tem de ser parado", acrescenta a nota.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou igualmente o início das operações militares: "Não podemos tolerar a banalização do uso de armas químicas, no que representa um perigo imediato para a população e para a nossa segurança coletiva".

Macron garantiu ainda que os ataques serão "circunscritos às instalaçoes do regime relacionadas às armas químicas".

Explosões em Damasco

Cerca das 2:40 (hora de Lisboa), testemunhas ouvidas pela Reuters deram conta de que pelo menos seis fortes explosões foram ouvidas em Damasco, bem como havia colunas fumo visíveis.

A televisão estatal noticiou que as defesas aéreas do país estavam em confronto com forças dos EUA, Reino Unido e França.

Também o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, segundo o The Guardian, refere que várias bases militares foram atingidas.

Segundo a CNN, estão a ser alvejados laboratórios de conceção e produção de armas químicas que se situam bem no centro de Damasco. Nas redes sociais, surgem já imagens que mostram o resultado de explosões dentro da cidade.

Cerca das 3:00 realizou-se uma conferência de imprensa no Pentágono. Leia aqui:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.