EUA entregaram 364 crianças às famílias separadas na fronteira com o México

O Governo dos Estados Unidos anunciou, na quinta-feira, que entregou 364 crianças às famílias que tinham sido separadas quando atravessavam ilegalmente a fronteira com o México.

O anúncio feito pela administração do Presidente norte-americano, Donald Trump, surge uma semana antes do prazo limite estabelecido por um juiz de San Diego, que deu ao Governo até 26 de julho para entregar às respetivas famílias os mais de 2.500 jovens com idades entre os 5 e os 17 anos.

Num relatório apresentado pela administração Trump na quinta-feira ao juiz Dana Sabraw, o Governo indicou que das 2.551 crianças nessa faixa etária apenas 1.651 crianças são elegíveis para se reencontrarem com os pais.

As restantes 900 crianças "não se qualificam" porque, entre outras razões, os pais têm antecedentes criminais ou renunciaram a este benefício, de acordo com o mesmo documento.

Na semana passada, o Governo norte-americano entregou 57 crianças menores de cinco anos aos seus pais, metade do que tinha sido determinado. Em comunicado, justificou que as restantes não puderem ser reunidas com as famílias porque os pais têm "antecedentes criminais graves, foram deportados ou estão presos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.