EUA entregam aos pais 1820 crianças, 700 ainda estão separadas

Governo norte-americano tinha até ontem para devolver 2500 crianças às famílias

A Casa Branca garantiu que 1820 crianças separadas dos pais na fronteira com o México foram entregues aos responsáveis até quinta-feira, no limite do prazo exigido ao Governo para reunir 2500 famílias.

Cerca de 700 crianças continuam separadas das famílias, incluindo mais de 400 cujos pais foram deportados, de acordo com as autoridades.

No final do mês passado, o juiz Dana Sabraw, do tribunal federal de San Diego, ordenou que o Governo reunisse os milhares de crianças e pais que foram forçados a se separarem na fronteira devido à política de "tolerância zero" da administração do Presidente Donald Trump.

À data, o juiz estabeleceu o prazo de 10 de julho para crianças menores de 5 anos e deu ao Governo até 26 de julho [quinta-feira] para reunir mais de 2500 jovens com idades entre 5 e 17 anos.

A administração Trump insistiu que cumpriria o prazo do tribunal, reunindo todas as famílias que considerava elegíveis para a reunificação.

Ao longo de todo o processo de reunificação o "objetivo tem sido o bem-estar das crianças, e devolvê-las a um ambiente seguro", afirmaram, em comunicado, as autoridades norte-americanas, acrescentando que se mantêm ainda vários obstáculos em toda a missão, que não é abordada pelo Governo "de forma leve".

Até quinta-feira, o Governo garantiu ter entregado 1442 crianças (com 5 ou mais anos) aos pais sob custódia dos serviços de imigração norte-americanos.

Outras 378 foram já entregues aos pais ou a outros responsáveis, na maioria dos casos familiares, em diferentes locais nos EUA.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.