EUA descartam encontro formal entre Trump e Putin no Vietnam

Os responsáveis russos tinham dito que iria haver uma reunião, mas os americanos negam justificando com conflitos de agenda

Os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Rússia, Vladimir Putin, não vão ter nenhum encontro formal em Danang, no Vietname, onde os dois chegaram esta sexta-feira para participarem no Fórum de Cooperação Económica da Ásia-Pacífico (APEC), informaram fontes oficiais.

"Não há nenhum encontro formal nem nada programado", disse a assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, minutos depois de aterrar no Danang, cidade costeira no centro do Vietname.

"Nunca houve um encontro confirmado e não há nenhum devido a conflitos de agenda pelas duas partes", declarou a funcionária.

Sanders acrescentou que os dois presidentes vão estar no mesmo local durante o fórum da APEC, considerando "possível e provável" um encontro "informal".

"Mas em termos de uma reunião formal e programada não há nada no calendário e não antecipamos que vá haver uma", concluiu a porta-voz.

O assessor de assuntos internacionais do presidente russo, Yuri Ushakov, disse ontem que a reunião formal em Danang ia acontecer, enquanto o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, indicou que seriam mantidos contactos sobre um possível encontro que abordasse as situações na Síria e na Ucrânia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.