EUA descartam encontro formal entre Trump e Putin no Vietnam

Os responsáveis russos tinham dito que iria haver uma reunião, mas os americanos negam justificando com conflitos de agenda

Os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Rússia, Vladimir Putin, não vão ter nenhum encontro formal em Danang, no Vietname, onde os dois chegaram esta sexta-feira para participarem no Fórum de Cooperação Económica da Ásia-Pacífico (APEC), informaram fontes oficiais.

"Não há nenhum encontro formal nem nada programado", disse a assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, minutos depois de aterrar no Danang, cidade costeira no centro do Vietname.

"Nunca houve um encontro confirmado e não há nenhum devido a conflitos de agenda pelas duas partes", declarou a funcionária.

Sanders acrescentou que os dois presidentes vão estar no mesmo local durante o fórum da APEC, considerando "possível e provável" um encontro "informal".

"Mas em termos de uma reunião formal e programada não há nada no calendário e não antecipamos que vá haver uma", concluiu a porta-voz.

O assessor de assuntos internacionais do presidente russo, Yuri Ushakov, disse ontem que a reunião formal em Danang ia acontecer, enquanto o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, indicou que seriam mantidos contactos sobre um possível encontro que abordasse as situações na Síria e na Ucrânia.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.