EUA criticam "inconsistência" da Coreia do Norte quanto à desnuclearização

Trump e Kim reuniram-se em junho numa cimeira histórica, em Singapura

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou esta sexta-feira que "há um caminho a fazer" para a desnuclearização da Coreia do Norte e considerou que Pyongyang está a agir de modo inconsistente em relação ao compromisso que assumiu.

Pompeo, que falou à chegada a Singapura para uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), é o responsável da administração norte-americana pela aplicação dos compromissos saídos da cimeira entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, de 12 de junho.

Mike Pompeo esteve três vezes em Pyongyang desde abril, acompanhou Trump na cimeira e, segundo o Departamento de Estado, uma reunião com o homólogo norte-coreano, Ri Yong Ho, à margem da reunião da ASEAN, é possível, mas não está confirmada.

"O presidente Kim comprometeu-se a desnuclearizar. O mundo pediu-lhe que o fizesse nas resoluções do Conselho de Segurança da ONU. Na medida em que eles estão a agir de uma maneira inconsistente com isso, estão a violar uma ou ambas as resoluções, vemos que há um caminho a fazer para atingir o resultado que procuramos", disse o chefe da diplomacia norte-americana à imprensa em Singapura.

O jornal norte-americano Washington Post noticiou na segunda-feira, citando fontes dos serviços de informações norte-americanos que disseram basear-se em fotos de satélite, que o regime norte-coreano está a construir um ou dois mísseis intercontinentais nas instalações de Sanumdong, a sudoeste da capital.

Trump e Kim reuniram-se em junho numa cimeira histórica, em Singapura, na qual se comprometeram a construir uma paz duradoura e estável na península coreana e a trabalhar para "a total desnuclearização" da península.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.