EUA criticam "inconsistência" da Coreia do Norte quanto à desnuclearização

Trump e Kim reuniram-se em junho numa cimeira histórica, em Singapura

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou esta sexta-feira que "há um caminho a fazer" para a desnuclearização da Coreia do Norte e considerou que Pyongyang está a agir de modo inconsistente em relação ao compromisso que assumiu.

Pompeo, que falou à chegada a Singapura para uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), é o responsável da administração norte-americana pela aplicação dos compromissos saídos da cimeira entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, de 12 de junho.

Mike Pompeo esteve três vezes em Pyongyang desde abril, acompanhou Trump na cimeira e, segundo o Departamento de Estado, uma reunião com o homólogo norte-coreano, Ri Yong Ho, à margem da reunião da ASEAN, é possível, mas não está confirmada.

"O presidente Kim comprometeu-se a desnuclearizar. O mundo pediu-lhe que o fizesse nas resoluções do Conselho de Segurança da ONU. Na medida em que eles estão a agir de uma maneira inconsistente com isso, estão a violar uma ou ambas as resoluções, vemos que há um caminho a fazer para atingir o resultado que procuramos", disse o chefe da diplomacia norte-americana à imprensa em Singapura.

O jornal norte-americano Washington Post noticiou na segunda-feira, citando fontes dos serviços de informações norte-americanos que disseram basear-se em fotos de satélite, que o regime norte-coreano está a construir um ou dois mísseis intercontinentais nas instalações de Sanumdong, a sudoeste da capital.

Trump e Kim reuniram-se em junho numa cimeira histórica, em Singapura, na qual se comprometeram a construir uma paz duradoura e estável na península coreana e a trabalhar para "a total desnuclearização" da península.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.