EUA criam primeira área marinha protegida no Atlântico

A nova área protegida vai chamar-se "Monumento Nacional dos Canhões do Nordeste e dos Montes Submarinos"

A Casa Branca anunciou hoje a criação da primeira área marinha protegida dos Estados Unidos no Oceano Atlântico, com uma extensão de 12 725 quilómetros quadrados, localizada em frente à costa de Nova Inglaterra.

Segundo a Casa Branca, trata-se de um ecossistema com "características geológicas únicas", que é berço de raras espécies em perigo de extinção, que foi objeto de exploração e descobertas científicas desde a década de 1970.

A nova área protegida vai chamar-se "Monumento Nacional dos Canhões do Nordeste e dos Montes Submarinos", já que debaixo das suas águas esconde três canhões mais profundos do que o do Colorado e quatro montanhas.

Estes oferecem habitat a diferentes tipos de tartarugas marinhas, assim como baleias, cachalotes, além de corais únicos no mundo, peixes e moluscos.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, vai falar sobre a nova área protegida durante a terceira edição da conferência "Nosso Oceano", cuja criação foi impulsionada pelo próprio.

A conferência realiza-se em Washington hoje e na sexta-feira com objetivo de transformar a proteção do ambiente marinho numa prioridade a nível global.

Segundo a Casa Branca, durante a iniciativa deste ano, aproximadamente 20 países vão anunciar a criação de 40 áreas marinhas protegidas que juntas somam 1.191.395 quilómetros quadrados.

Em agosto, os Estados Unidos já criaram, em águas territoriais do Havai, a maior área marinha protegida do mundo, batizada de "Monumento Nacional Papahanaumokuakea, com cerca de 1,5 milhões de quilómetros quadrados.

Nunca se protegeu tantos quilómetros de extensão marinha no mundo como em 2016.

Obama fez das alterações climáticas, e em particular do seu impacto nos oceanos, uma das prioridades do seu segundo mandato na Casa Branca.