EUA avaliam participação no Conselho de Direitos Humanos e pedem saída da Venezuela

Nikki Haley, embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, disse que o país está "a avaliar cuidadosamente este órgão e a participação do país no mesmo"

Os EUA afirmaram esta terça-feira que estão a avaliar a sua participação no Conselho de Direitos Humanos da ONU, e pediram a saída da Venezuela, país que enfrenta uma "rápida deterioração" dos direitos humanos, daquele órgão.

Estas posições foram avançadas pela embaixadora dos EUA junto das Nações Unidas, Nikki Haley, durante uma intervenção que deu início à sessão de verão do Conselho que irá prolongar-se durante as próximas três semanas em Genebra (Suíça).

Durante a sua intervenção, Nikki Haley pediu que a Venezuela deixe voluntariamente o Conselho de Direitos Humanos da ONU, numa altura em que aquele país enfrenta uma grave crise política e económica e uma vaga de manifestações contra o Presidente Nicolás Maduro que já fizeram 65 mortos desde o início de abril.

Se o governo venezuelano não é capaz de lutar contra estas violações, "deve voluntariamente sair do Conselho de Direitos Humanos até que seja capaz de restaurar a ordem" no seu próprio país, declarou a representante americana, diante dos 47 Estados-membros do órgão.

"Ser membro do Conselho é um privilégio e nenhum país que viole os direitos humanos deve sentar à mesa [do Conselho]", insistiu a embaixadora.

Reiterando as preocupações expressas por várias vozes da administração de Donald Trump sobre a eficácia do Conselho de Direitos Humanos da ONU, Nikki Haley disse que os EUA estão "a avaliar cuidadosamente este órgão e a participação do país no mesmo".

E afirmou que era "difícil de aceitar" o facto de cinco resoluções contra Israel, um tradicional aliado de Washington, terem passado em março passado no Conselho, e nenhuma ter sido considerada em relação à Venezuela.

"É essencial que este Conselho aborde o seu preconceito crónico anti-Israel se é para ter alguma credibilidade", disse a representante norte-americana.

A embaixadora apelou ainda ao Conselho para adotar "resoluções o mais fortes possíveis sobre as situações críticas de direitos humanos na Síria, na República Democrática do Congo, na Eritreia, na Bielorrússia e na Ucrânia", bem como para acompanhar e prevenir "novas violações e abusos dos direitos humanos" nesses países.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?