EUA apelam à Coreia do Norte para que perdoe estudante condenado

"É cada vez mais claro que o governo norte-coreano usa estes cidadãos norte-americanos como peões com motivações puramente políticas"

Os Estados Unidos apelaram hoje à Coreia do Norte para que perdoe o estudante norte-americano condenado pela justiça norte-coreana a 15 anos de trabalhos forçados por atividades subversivas. "Instamos fortemente o governo norte-coreano a perdoar [o estudante] (...) e a conceder uma libertação imediata", declarou Josh Earnest, porta-voz da administração norte-americana.

"É cada vez mais claro que o governo norte-coreano usa estes cidadãos norte-americanos como peões com motivações puramente políticas", acrescentou o porta-voz da Casa Branca, recordando que o Departamento de Estado norte-americano recomendou aos cidadãos dos Estados Unidos para não realizarem viagens à Coreia do Norte.

Otto Frederick Warmbier, um estudante de 21 anos da Universidade da Virgínia, foi condenado pelo Supremo Tribunal norte-coreano a 15 anos de trabalhos forçados por tentar roubar um cartaz de propaganda política de um hotel onde estava hospedado em Pyongyang. O cartaz estava numa área reservada para funcionários do hotel.

O estudante, que integrava uma viagem organizada, reconheceu publicamente o seu "delito", numa confissão descrita como podendo ter sido forçada pelas autoridades norte-coreanas. O jovem foi detido em janeiro quando estava a sair do território norte-coreano.

"Os motivos pelos quais ele foi detido e preso não resultariam numa interpelação nos Estados Unidos ou na maioria dos países do mundo", sublinhou o porta-voz da administração norte-americana. Os Estados Unidos não têm relações diplomáticas com a Coreia do Norte.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.