ETA publica comunicado e assegura que "já é uma organização sem armas"

A ETA vai revelar no sábado os locais secretos onde ainda tem armas, numa cerimónia simbólica em Baiona

A organização separatista basca ETA publicou hoje de madrugada um comunicado em que declara que "já é uma organização sem armas", visto que "as armas e explosivos que tinha na sua posse encontram-se nas mãos da sociedade civil".

A ETA adverte que "o processo não está completado", porque "o dia do desarmamento será amanhã" (sábado) e ainda pode ter lugar "ataques dos inimigos da paz", segundo o comunicado enviado à britânica BBC e a vários órgãos de comunicação social do País Basco espanhol.

Na carta em inglês e em espanhol, a organização separatista lança um apelo à realização de uma manifestação no sábado em Baiona, cidade francesa na fronteira com Espanha, para evitar que "os inimigos da paz" contrariem a entrega de armas decidida unilateralmente.

A ETA vai revelar no sábado os locais secretos onde ainda tem armas, numa cerimónia simbólica em Baiona.

O desarmamento vai ser assinalado com a entrega da localização dos depósitos de armas, que a ETA afirma ainda possuir, a um Comité Internacional de Verificação.

A organização foi criada em 1959, durante a época da ditadura franquista, e renunciou à luta armada em outubro de 2011, depois de mais de 40 anos de atos de violência em nome da independência do País Basco e de Navarra, que tirou a vida a mais de 800 pessoas.

A ETA recusou até agora o seu desarmamento e a sua dissolução exigida por Madrid e Paris, exigindo o início de negociações sobre os seus membros presos (cerca de 360, dos quais 75 em França).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".