"Queridos homens que mandam piropos"

Estudante tirou 'selfies' com os homens que a assediavam na rua durante um mês

A jovem estudante Noa Jansma, de Amesterdão, decidiu fazer do assédio que vive nas ruas um projeto: criou uma conta no Instagram, à qual chamou "dearcatcallers" (em tradução literal, "queridos homens que mandam piropos") onde partilhou 'selfies' com todos os homens que a assediaram durante um mês. Ao todo, partilhou 23 fotografias, algumas com mais de um interveniente.

Falando à BBC, Noa, de 20 anos, explicou que não quis continuar a ignorar a situação: sentia-se muito incomodada e decidiu que os que a assediavam na rua, com gritos e piropos, não podiam dizer o que queriam sem consequências.

"Eu nunca soube o que fazer quando alguém me manda um piropo", admitiu.

A dada altura, começou a pedir aos homens que a assediavam para que tirassem uma fotografia com ela. Muitos sentiam-se "orgulhosos" por isso, revelou.

As 'selfies' foram todas publicadas no Instagram mas, segundo Noa, o objetivo não é envergonhar quem a assediou: quer antes fazer "uma declaração".

"Se algum dos homens me pedir para tirar a foto do Instagram, eu faço-o, porque não quero estragar a vida a ninguém", disse, referindo que o objetivo do projeto é consciencializar e ajudar as mulheres que têm de enfrentar o problema do assédio diariamente.

"É um problema global. Por isso quero passar esta conta para outra rapariga, noutro país e noutra cidade, só para mostrar que isto acontece a qualquer uma em qualquer lugar", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.