"Queridos homens que mandam piropos"

Estudante tirou 'selfies' com os homens que a assediavam na rua durante um mês

A jovem estudante Noa Jansma, de Amesterdão, decidiu fazer do assédio que vive nas ruas um projeto: criou uma conta no Instagram, à qual chamou "dearcatcallers" (em tradução literal, "queridos homens que mandam piropos") onde partilhou 'selfies' com todos os homens que a assediaram durante um mês. Ao todo, partilhou 23 fotografias, algumas com mais de um interveniente.

Falando à BBC, Noa, de 20 anos, explicou que não quis continuar a ignorar a situação: sentia-se muito incomodada e decidiu que os que a assediavam na rua, com gritos e piropos, não podiam dizer o que queriam sem consequências.

"Eu nunca soube o que fazer quando alguém me manda um piropo", admitiu.

A dada altura, começou a pedir aos homens que a assediavam para que tirassem uma fotografia com ela. Muitos sentiam-se "orgulhosos" por isso, revelou.

As 'selfies' foram todas publicadas no Instagram mas, segundo Noa, o objetivo não é envergonhar quem a assediou: quer antes fazer "uma declaração".

"Se algum dos homens me pedir para tirar a foto do Instagram, eu faço-o, porque não quero estragar a vida a ninguém", disse, referindo que o objetivo do projeto é consciencializar e ajudar as mulheres que têm de enfrentar o problema do assédio diariamente.

"É um problema global. Por isso quero passar esta conta para outra rapariga, noutro país e noutra cidade, só para mostrar que isto acontece a qualquer uma em qualquer lugar", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.