Estudante detida e expulsa da universidade por maltratar colega de quarto

Brianna Brochu gabava-se nas redes sociais de esfregar tampões sujos na mochila da colega e pôr a escova de dentes dela em "sítios onde o sol não brilha"

Uma jovem de 18 anos foi detida no passado sábado e expulsa da Universidade de Hartford, no estado norte-americano do Connecticut, depois de anunciar nas redes sociais que contaminara os objetos pessoais da colega de quarto com fluidos corporais, esfregando inclusivamente tampões sujos na mochila dela e colocando-lhe a escova de dentes em sítios "onde o sol não brilha".

Brianna Brochu foi presente a tribunal na passada quarta-feira e o juiz decidiu acusá-la de atividade criminosa e perturbação da paz, expulsando-a ainda do campus universitário e proibindo-a de contactar com a antiga colega, Chennel Rowe, até à conclusão do processo, indica o The Washington Post, citando a imprensa local. As autoridades terão ainda acusado Brianna, que é caucasiana, de um crime de ódio devido às ações contra a colega, que é afro-americana. No mês passado, a jovem agora expulsa da universidade terá escrito no Instagram que finalmente conseguira livrar-se da "Barbie jamaicana", referindo-se à colega de quarto.

De acordo com o despacho do tribunal, Brianna terá publicado na rede social a seguinte frase: "Depois de mês e meio a cuspir-lhe no óleo de coco, a pôr-lhe molho de amêijoa com bolor nos cremes, a esfregar tampões usados na mochila dela, a pôr-lhe a escova de dentes onde o sol não brilha, e muito mais, posso finalmente dizer adeus à Barbie jamaicana".

A jovem foi detida no sábado, mas disse à polícia que só tinha começado a atacar a colega depois de esta ter colocado nas redes sociais vídeos em que ela aparecia a ressonar. E garantiu que tinha lambido os talheres de Chennel, esfregado o tampão na mochila e misturado os cremes, mas tudo o resto de que se gabava era falso.

Já a vítima, só percebeu o que estava a acontecer quando foi avisada por colegas, que viram as publicações de Brianna nas redes sociais. À polícia, disse que uma enfermeira lhe tinha detetado bactérias na garganta, e que suspeitava que o problema de saúde estava relacionado com as ações da colega de quarto.

No Facebook, escreveu uma longa publicação realçando que "como jovem mulher afro-americana", não queria ser apenas mais um número nas estatísticas. "No que diz respeito a incidentes/crimes nas universidades e casos de discriminação racial, a justiça tem de ser feita".

A jovem colocou também um vídeo no Facebook onde fala sobre o que lhe aconteceu, descrevendo a situação como "ridícula" mas com contornos que precisam de ser levados a sério.

O presidente da Universidade de Hartford, Greg Woodward, escreveu uma carta aberta aos alunos a propósito da situação "profundamente perturbadora" que tinha acontecido. "Uma das nossas alunas foi a alegada vítima de bullying e a história dela foi partilhada nas redes sociais. Deixem-me ser claro: o comportamento da estudante acusada foi repreensível e não reflete os valores da nossa instituição".

Frisando que a universidade repudia a discriminação racial, o responsável explicou que a alegada agressora não iria regressar à universidade e garantiu fazer tudo ao seu alcance para que não se repitam casos como este.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.