"Estreleiras" e "ikurriñas" ao lado das "esteladas" em Barcelona

Alguns galegos e bascos que também procuram a independência mostram o seu apoio aos catalães.

As "estreleiras" galegas de Xosé Salvadores e de Elvira Cienfuegos e a "ikurriña" basca de Maite, Eli e Begoña faziam ontem companhia às dezenas de "esteladas" catalãs durante a ação de protesto contra a violência policial, ao meio-dia, na praça de Sant Jaume, em Barcelona. Vieram todos apoiar a Catalunha neste momento histórico, esperando um dia que todos possam ser independentes.

"Nós também queremos a independência, mas ainda estamos muito longe. Falta muito caminho por percorrer. Ver como trabalhou o povo catalão é uma lição inesquecível de dignidade e de coordenação", contou Elvira, com a "estreleira" ao pescoço. A bandeira nacionalista galega de esquerdas junta uma estrela vermelha à bandeira branca com faixa azul da Galiza.

A professora reformada disse que quis estar na Catalunha nestes dias porque sabia que ia ser um dia histórico. Em relação à violência, explica que ninguém esperava: "É lamentável." Ri-se quando lhe perguntamos se acha que a culpa é de um galego, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy. Mas responde séria: "A forma como está a fazer as coisas não corresponde ao líder de um governo democrático."

Na mesma praça de Barcelona, onde fica a câmara e a sede do governo catalão, está um grupo com uma bandeira vermelha com a cruz verde e a branca. "Viemos apoiar a luta dos catalães pela independência. E se isto funciona, então temos muito que aprender no País Basco", contam, lembrando que apesar de a independência da Catalunha parecer ter apagado o debate sobre o País Basco, que era mais notícia durante os tempos da luta armada da ETA, a luta continua viva. "Nós continuamos a querer a independência, mas o que acontece é que a repressão no País Basco é muito maior do que qualquer repressão que possa haver aqui", explica Begoña.

Maite, Eli e Begoña exibiam a bandeira do País Basco

Lamentando o poder de Rajoy, Maite diz que "enquanto o povo não se levantar, não sair todo para as ruas, não só os catalães ou os bascos, vai continuar a roubar e atuar de forma vergonhosa". Para Eli "a esperança é que dentro de alguns anos deixe de haver Espanha, para haver vários países independentes na península ibérica."

Enviada a Barcelona

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.