Estrela do críquete Imran Khan vence eleições no Paquistão

A Comissão Eleitoral do Paquistão anunciou hoje a vitória do partido Pakistan Tehreek-i-Insaf (PTI), do antigo jogador de críquete Imran Khan, que, sem maioria absoluta, se vê obrigado a formar um Governo de coligação.

De acordo com o porta-voz do partido, Fawad Chaudhry, já estão em curso esforços para formar uma coligação, embora, admita, o processo "possa levar alguns dias".

Ao serem conhecidas as projeções que apontavam para uma vitória, Khan prometeu "dirigir o país de uma maneira nunca antes vista".

A antiga estrela de críquete prometeu acabar com a corrupção, fortalecer as instituições e recuperar o orgulho nacional, ao desenvolver relações internacionais baseadas no respeito e na igualdade.

Após dois longos dias de contagem de votos, o PTI ganhou 109 dos 269 lugares na Assembleia Nacional, contra 63 para o rival mais próximo, a Liga Muçulmana do Paquistão, partido vencedor das últimas eleições.

Antes do anúncio oficial dos primeiros escrutínios, o partido do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif recusou os resultados das eleições

Sharif denunciou que os seus representantes foram expulsos de assembleias de voto durante a contagem e não receberam cópia da ata com o resultado final de cada local de votação.

Os eleitores paquistaneses foram chamados na quarta-feira às urnas para escolherem os membros da Assembleia Nacional e dos quatro parlamentos provinciais.

Nesse dia, pelo menos 30 pessoas morreram e 30 ficaram feridas num ataque suicida, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico, perto de uma assembleia de voto na cidade paquistanesa de Quetta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.