Estrela do críquete Imran Khan vence eleições no Paquistão

A Comissão Eleitoral do Paquistão anunciou hoje a vitória do partido Pakistan Tehreek-i-Insaf (PTI), do antigo jogador de críquete Imran Khan, que, sem maioria absoluta, se vê obrigado a formar um Governo de coligação.

De acordo com o porta-voz do partido, Fawad Chaudhry, já estão em curso esforços para formar uma coligação, embora, admita, o processo "possa levar alguns dias".

Ao serem conhecidas as projeções que apontavam para uma vitória, Khan prometeu "dirigir o país de uma maneira nunca antes vista".

A antiga estrela de críquete prometeu acabar com a corrupção, fortalecer as instituições e recuperar o orgulho nacional, ao desenvolver relações internacionais baseadas no respeito e na igualdade.

Após dois longos dias de contagem de votos, o PTI ganhou 109 dos 269 lugares na Assembleia Nacional, contra 63 para o rival mais próximo, a Liga Muçulmana do Paquistão, partido vencedor das últimas eleições.

Antes do anúncio oficial dos primeiros escrutínios, o partido do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif recusou os resultados das eleições

Sharif denunciou que os seus representantes foram expulsos de assembleias de voto durante a contagem e não receberam cópia da ata com o resultado final de cada local de votação.

Os eleitores paquistaneses foram chamados na quarta-feira às urnas para escolherem os membros da Assembleia Nacional e dos quatro parlamentos provinciais.

Nesse dia, pelo menos 30 pessoas morreram e 30 ficaram feridas num ataque suicida, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico, perto de uma assembleia de voto na cidade paquistanesa de Quetta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.