"Estou muito melhor". Hillary Clinton volta à campanha nos próximos dias

A candidata democrática à Casa Branca afirmou numa entrevista que está bem e que sentiu mal porque desrespeitou ordens dos médicos

A candidata à Presidência dos EUA Hillary Clinton garantiu na segunda-feira que está melhor, depois de se ter sentido mal na cerimónia evocativa dos atentados do 11 de Setembro, e que volta à campanha dentro de alguns dias.

"Estou muito melhor", disse Clinton à televisão norte-americana CNN, numa conversa por telefone.

A candidata do Partido Democrata à Casa Branca, que tem uma pneumonia, segundo os seus médicos, afirmou que sentiu uma tontura na cerimónia do 11 de Setembro, em Nova Iorque, que perdeu o equilíbrio por alguns momentos, mas que não chegou a desmaiar.

Segundo Clinton, depois de ter abandonado a cerimónia, assim que entrou numa viatura com ar condicionado e bebeu um pouco de água, sentiu-me melhor, garantindo que voltará à campanha presidencial nos próximos dias.

Hillary Clinton explicou que os médicos a tinham aconselhado a descansar durante alguns dias, mas que ignorou a recomendação, sublinhando que era senadora pelo estado de Nova Iorque em 2001, ano dos atentados de Nova Iorque, e que estar presente na cerimónia anual que lembra as vítimas é uma questão pessoal e importante para si.

Após a indisposição, Clinton cancelou uma viagem à Califórnia esta semana, no âmbito da campanha eleitoral.

O seu rival do Partido Republicano na corrida à Casa Branca, Donald Trump, desejou na segunda-feira as melhoras a Clinton e disse que vai revelar em breve os resultados de um exame médico que fez na semana passada.

"Espero que ela [Clinton] se recupere e que regresse à campanha", afirmou Trump à cadeia de televisão Fox, acrescentando que a saúde dos candidatos à Presidência norte-americana passou a ser um tema da campanha.

Na segunda-feira, um porta-voz de Clinton já havia dito que a candidata não tem outros problemas além de uma pneumonia e que deverá retomar a campanha a meio desta semana.

"Não há qualquer outra doença por revelar, é só pneumonia", disse o porta-voz Brian Fallon à estação MSNBC um dia depois de Hillary Clinton, de 68 anos, se ter sentido mal e de a sua campanha ter anunciado que lhe tinha sido diagnosticada uma pneumonia.

"Espero que a meio ou perto do final da semana, ela esteja de volta ao circuito da campanha", indicou, acrescentando que "se a decisão fosse dela, já estaria na rua hoje".

Fallon disse também que a campanha democrata vai divulgar novos dados clínicos para ajudar "a tranquilizar quaisquer preocupações que persistam" sobre o estado de saúde da candidata presidencial, ex-secretária de Estado e ex-primeira-dama norte-americana.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.