Estes são os passaportes mais valiosos do mundo. Em que lugar fica o português?

Pela primeira vez o passaporte mais forte do mundo é de um país asiático

Portugal está em quinto na lista dos passaportes mais poderosos do mundo de 2017, o Passaport Index. Em primeiro lugar, e pela primeira vez, ficou um país asiático, Singapura.

De acordo com o Passaport Index, os cidadãos portadores de passaporte português podem viajar para 155 países pelo mundo sem visto ou com visto na chegada - o que deixa Portugal no quinto lugar deste ranking, uma posição que partilha com Luxemburgo, Suíça, Noruega, Bélgica e Áustria.

A lista é elaborada todos os anos pela empresa Arton Capital, informa a Business Insider, e classifica os passaportes pelo número de países em que se pode entrar sem visto ou com a possibilidade de pedir um visto na chegada.

Esta é a primeira vez que um país asiático possui o passaporte mais poderoso do mundo. Classificado como país com o passaporte mais valioso do mundo está a Singapura, que permite a entrada em 159 países.

Depois de Singapura, os países europeus continuam na liderança: Alemanha e Suécia, que partilharam o primeiro lugar em 2016, encontram-se em segundo e terceiro lugar do ranking, respetivamente. Também em terceiro está a Coreia do Sul.

O passaporte alemão dá entrada sem visto ou com visto à chegada em 158 países e o sueco e sul-coreano em 157.

De acordo com um diferente estudo da consultora Henley & Partners, o Visa Restrinctions Index 2017, Portugal surge em sexto lugar ao lado do Canadá, Grécia e Suíça, com um passaporte que permite viajar para 171 países e territórios. No topo da lista está a Alemanha, que permite a entrada em 176 países e em segundo lugar está a Suécia.

As diferenças entre os dois rankings são explicadas pelo diferente número de destinos considerados - a Arton Capital considera 193 países membros das Nações Unidas e seis territórios (Taiwan, Macau, Hong Kong, Kosovo, Palestina e Vaticano), não incluindo como destinos os países que não emitem o próprio passaporte; já a Henley & Partners contempla 219 destinos, incluindo territórios como Porto Rico, Polinésia Francesa, Ilhas Virgens, entre outros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.