"Estamos a rezar por cada um de vocês." A mensagem do mineiro chileno

Manuel Sepulveda esteve 69 dias preso numa mina no Chile, em 2010, agora deixa mensagem de apoio ao grupo de crianças e jovens tailandeses presos há 13 dias numa gruta

Um dos 33 mineiros que esteve preso em 2010, durante 69 dias, numa mina no Chile gravou uma mensagem de apoio às famílias e às crianças que estão presas numa gruta no norte da Tailândia, há 13 dias.

Manuel Sepulveda publicou o vídeo no Facebook onde vestido com colete refletor e o capacete de mineiro diz às famílias e às crianças que estão todos "a rezar por cada um de vocês". "Não tenho dúvidas que se o governo da Tailândia põe todos os esforços nesta operação, ela será bem-sucedida", diz, a sua curta mensagem de 40 segundos.

Fez questão de enviar "esperança e muita força a todas as autoridades e aos familiares dos 12 meninos" que estão presos na gruta Tham Luang Nang Non, no norte da Tailândia.

Entretanto continuam os trabalhos de resgate e, segundo um voluntário dinamarquês contou à Sky News, tudo indica que entre esta sexta-feira e sábado as 12 crianças e o seu treinador vão ser retiradas da gruta. As autoridades podem estar a tentar esta solução já por causa das previsões de chuva intensa para os próximos dias.

Além disso o nível de oxigénio já baixou dentro da gruta e os mergulhadores tentam restabelecer os níveis colocando botijas de oxigénio. Nessa operação, um ex-militar da marinha tailandesa acabou por morrer, esta sexta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...