Estados Unidos pedem desculpa ao Japão por acidentes militares

Registaram-se vários percalços com equipamentos militares norte-americanos e ontem um helicóptero fez uma aterragem de emergência numa praia de Okinawa

O secretário da Defesa dos Estados Unidos pediu hoje desculpa ao Japão pela série de acidentes com helicópteros militares ocorridos na ilha de Okinawa (sul), e que voltaram a criar mal-estar entre os habitantes.

O pedido de desculpa de Jim Mattis ao homólogo japonês, Itsunori Onodera, tem lugar na sequência de uma série de percalços com equipamentos militares norte-americanos e apenas um dia depois da aterragem de emergência de um helicóptero numa praia de Okinawa, disse um porta-voz do Ministério da Defesa do Japão à agência de notícias espanhola Efe.

Itsunori Onodera instou Jim Mattis a tomar medidas para que este tipo de acidentes não se repita e a assegurar-se de que os equipamentos militares vão ser revistos face ao crescente descontentamento dos habitantes da ilha que reivindicam a relocalização da base norte-americana.

Em dezembro, uma criança ficou ferida numa escola de Okinawa, na sequência da queda no pátio de uma porta de um helicóptero militar que voava para uma base nas proximidades.

O descontentamento da população local relativamente à presença de tropas norte-americanos também tem sido alimentado por crimes cometidos pelas forças armadas dos Estados Unidos na região e por trabalhadores das suas bases, incluindo várias violações e homicídios.

A maioria dos habitantes de Okinawa, que alberga mais de 70% das instalações militares dos Estados Unidos no Japão e mais de metade dos cerca de 48 mil soldados destacados no país, pediu que a base norte-americana seja transferida para fora do seu território.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.