Estados Unidos pedem desculpa ao Japão por acidentes militares

Registaram-se vários percalços com equipamentos militares norte-americanos e ontem um helicóptero fez uma aterragem de emergência numa praia de Okinawa

O secretário da Defesa dos Estados Unidos pediu hoje desculpa ao Japão pela série de acidentes com helicópteros militares ocorridos na ilha de Okinawa (sul), e que voltaram a criar mal-estar entre os habitantes.

O pedido de desculpa de Jim Mattis ao homólogo japonês, Itsunori Onodera, tem lugar na sequência de uma série de percalços com equipamentos militares norte-americanos e apenas um dia depois da aterragem de emergência de um helicóptero numa praia de Okinawa, disse um porta-voz do Ministério da Defesa do Japão à agência de notícias espanhola Efe.

Itsunori Onodera instou Jim Mattis a tomar medidas para que este tipo de acidentes não se repita e a assegurar-se de que os equipamentos militares vão ser revistos face ao crescente descontentamento dos habitantes da ilha que reivindicam a relocalização da base norte-americana.

Em dezembro, uma criança ficou ferida numa escola de Okinawa, na sequência da queda no pátio de uma porta de um helicóptero militar que voava para uma base nas proximidades.

O descontentamento da população local relativamente à presença de tropas norte-americanos também tem sido alimentado por crimes cometidos pelas forças armadas dos Estados Unidos na região e por trabalhadores das suas bases, incluindo várias violações e homicídios.

A maioria dos habitantes de Okinawa, que alberga mais de 70% das instalações militares dos Estados Unidos no Japão e mais de metade dos cerca de 48 mil soldados destacados no país, pediu que a base norte-americana seja transferida para fora do seu território.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.