Estados Unidos "de maneira nenhuma" vão deixar o Médio Oriente

No mês passado, Donald Trump anunciou a retirada das tropas norte-americanas da Síria. Agora, Pompeo desmente esta ideia.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, assegurou esta quinta-feira que "de maneira nenhuma" o país vai deixar o Médio Oriente, apesar da anunciada retirada das tropas norte-americanas da Síria.

"Não, de maneira nenhuma. Somos uma força do bem. A ideia de irmos embora, francamente, não é o que a Administração de [Donald] Trump pretende fazer. Isto é para proteger os norte-americanos e faremos o que for necessário para protegê-los", afirmou Mike Pompeo numa entrevista ao Sinclair Broadcast Group, citada pela agência EFE.

Pompeo respondeu desta maneira quando questionado sobre se os Estados Unidos vão abandonar o Médio Oriente, depois de, no mês passado, Donald Trump ter anunciado a retirada das tropas norte-americanas da Síria, após proclamar a derrota do grupo extremista Estado Islâmico.

Na entrevista, o chefe da diplomacia norte-americana considerou que essa decisão é uma mudança "tática" e assegurou que não afetará o resto das forças destacadas noutras zonas do Médio Oriente.

"Ainda temos um grande alcance lá. Temos a capacidade de fazer isto e, o mais importante, temos a indicação do nosso comandante, o Presidente Trump, de continuar com esta luta", afirmou.

Nesse sentido, Mike Pompeo disse que os Estados Unidos estão "a sério" na luta contra o Estado Islâmico (EI) na Síria: "Temos forças na região que irão continuar a atacar o EI na própria Síria, mas também da zona ocidental do Iraque, como deve ser. Em todo o mundo, esta Administração está empenhada em acabar com esta ameaça do terrorismo".

Desde setembro de 2014, meses depois do EI ter proclamado o califado na Síria e no Iraque, os Estados Unidos participam em operações na Síria, encabeçando a coligação internacional contra os extremistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.