Estados Unidos admitem novo encontro com a Coreia do Norte

O conselheiro do presidente Donald Trump afirmou estar à espera que os norte-coreanos deem o primeiro passo para nova cimeira

Os Estados Unidos admitiram esta segunda-feira um novo encontro entre os líderes norte-americano e da Coreia do Norte, reiterando que aguardam que Pyongyang passe das palavras aos atos em relação à desnuclearização.

No encontro realizado em 12 de junho, em Singapura, "o presidente Trump abriu as portas a Kim Jong-un e ao seu regime", disse John Bolton, conselheiro do Presidente norte-americano, em resposta a uma pergunta sobre o impasse nas negociações sobre o desarmamento da Coreia do Norte. "Ainda estamos a aguardar por eles", declarou o conselheiro.

John Bolton afirmou que existe a "clara possibilidade" de um novo encontro entre os dois líderes, mas referiu que são os norte-coreanos que têm de avançar com medidas. "O Presidente Trump não pode assumir o lugar dos norte-coreanos na porta que abriu, eles são os únicos que podem avançar com medidas para desnuclearizar o seu país e é isso que esperamos", insistiu.

O conselheiro do Presidente Donald Trump disse ainda acreditar que a maior parte do programa nuclear e dos mísseis balísticos da Coreia do Norte se podem desmantelar num ano. "Durante o encontro de Kim Jong-un com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, o primeiro disse que poderia desnuclearizar o país em dois anos. Moon Jae-in perguntou a Kim por que não podia ser num ano e Kim disse que o faria num ano. Penso que podia ser mais rápido, mas um ano não está mal", considerou John Bolton.

No seu encontro histórico em Singapura, Trump e Kim Jong-un concordaram em trabalhar para desnuclearizar a Coreia do Norte, mas o diálogo bilateral encontrou entraves devido a diferenças na forma como realizar este processo.

De acordo com a imprensa, a Casa Branca queria agendar um segundo encontro entre Trump e Kim em setembro, em Nova Iorque, aproveitando a Assembleia Geral das Nações Unidas, mas essa reunião dependia do avanço da desnuclearização da Coreia do Norte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.