Estado Islâmico reivindica ataque em Toronto

Tiroteio matou duas pessoas, de 18 e 10 anos, e feriu outras treze. Atirador morreu durante o ataque

O grupo Estado Islâmico (EI) reivindicou esta quarta-feira a responsabilidade pelo ataque em Toronto, que aconteceu no domingo e resultou na morte de duas pessoas, incluindo uma criança de 10 anos, segundo a agência Amaq.

A agência de propaganda do Estado Islâmico divulgou, num comunicado emitido na rede social Telegram, que o ataque foi perpetrado por "um dos soldados do EI", que seguiu "os apelos" do grupo terrorista para atacar "os cidadãos dos países da coligação internacional" que atua contra os rebeldes no Iraque e na Síria.

Na terça-feira, foi realizada a autópsia do alegado terrorista, Faisal Hussain, que deve esclarecer se morreu em consequência dos disparos da polícia ou se se suicidou depois de abrir fogo na avenida Danforth, em Toronto, contra clientes de vários restaurantes e cafés.

Além do atacante, duas pessoas morreram e outras treze ficaram feridas no ataque, que aconteceu na noite de domingo, no coração do concorrido "bairro grego" de Toronto.

Até agora, foi identificada uma das pessoas mortas, Reese Fallon, de 18 anos, além de uma rapariga de 10 anos cujo nome não foi revelado pelas autoridades canadianas.

De acordo com a família do atirador, este sofria de problemas de saúde mental.

As autoridades canadianas descartaram que a motivação para o ataque tenha sido terrorismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.