Estado de emergência em 200 municípios por deslizamentos de terras

10 mortos e o desaparecimento de uma vila sob a lama são as consequências da catástrofe no Brasil

Mais de 200 municípios do estado brasileiro de Minas Gerais, atingidos por deslizamentos de terras há 12 dias, declararam na terça-feira "estado de emergência", numa tentativa de facilitar a reconstrução, informaram as autoridades.

A decisão do governo de Minas Gerais diz respeito à "região do Rio Doce e os municípios afetados pela rutura de duas barragens no município de Mariana", a 73 quilómetros da capital, Belo Horizonte.

Cerca de 62 milhões de metros cúbicos de lama ocre carregada de resíduos de minerais de ferro engoliram uma vila de 630 habitantes, a 14 quilómetros de Mariana, depois da rutura, a 05 de novembro, de duas barragens da empresa mineira Samarco, detida, em partes iguais, pelo gigante da mineração brasileiro Vale e pelo anglo-australiano BHP Billiton.

Dez pessoas morreram e 15 outras continuam dadas como desaparecidas.

O estado de emergência - aplicável por 180 dias em 202 municípios - facilita a mobilização de equipas de bombeiros para o local e permite aos municípios afetados realizar aquisições sem realização de concursos nem burocracias para os seus projetos de infraestruturas e compra de medicamentos.

Também assegura, em paralelo, o acesso a financiamento por parte das famílias afetadas, como a agricultores que perderam as suas colheitas.

A empresa mineira Samarco tem de pagar até segunda-feira uma multa de 250 milhões de reais (61,5 milhões de euros) por danos ambientais.

A empresa admitiu que outras barragens correm "risco" de ceder, mas garantiu que foram tomadas medidas para reduzir essa ameaça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...