Último discurso do Estado da União de Juncker: "A Europa é o amor da minha vida"

"A Síria e [a província de] Idlib deve ser para todos nós causa de preocupação profunda e imediata. Não podemos permanecer silenciosos perante a iminência de um desastre humanitário, que é um desastre anunciado", declarou o presidente da Comissão Europeia

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou esta quarta-feira, perante o Parlamento Europeu, em Estrasburgo, que a Europa não pode permanecer silenciosa perante a "iminência de um desastre humanitário anunciado" em Idlib, na Síria.

"A Síria e [a província de] Idlib deve ser para todos nós causa de preocupação profunda e imediata. Não podemos permanecer silenciosos perante a iminência de um desastre humanitário, que é um desastre anunciado", declarou o presidente do executivo comunitário, por ocasião do seu último discurso sobre o "Estado da União" Europeia.

Segundo Juncker, "o conflito sírio ilustra como a ordem internacional, da qual os europeus souberam beneficiar desde a II Guerra Mundial, está cada vez mais posta em causa".

"No mundo de hoje, a Europa não pode continuar a dar como adquirido que os compromissos assumidos ontem serão ainda respeitados amanhã. As alianças de hoje provavelmente já não serão as alianças de amanhã", advertiu.

Nesse sentido, sustentou, "o mundo de hoje precisa de uma Europa forte e unida, uma Europa que trabalhe em prol da paz, de acordos comerciais e de relações monetárias estáveis, mesmo que outros estejam muito inclinados a escolher as guerras comerciais e monetárias", numa mensagem implicitamente dirigida a Washington.

"Não gosto desse unilateralismo sem respeito pelas expectativas dos outros. Permanecerei sempre um multilateralista convicto", prosseguiu.

Defendendo que a Europa deve cada vez mais assumir o papel de um "ator global" na cena mundial, Jean-Claude Juncker afirmou que a UE deve dar-se conta de que é "uma potência politica, uma potência económica e por vezes uma potência militar".

"Essa é a razão pela qual lancei, desde 2014 a União Europeia da Defesa, e é por isso que, nos próximos meses, a Comissão Europeia continuará a trabalhar para que o fundo europeu de defesa e a cooperação estruturada permanente no domínio da Defesa se tornem plenamente operacionais", disse.

"Não iremos militarizar a UE"

O presidente da Comissão fez questão de acrescentar "uma precisão importante": "não iremos militarizar a UE. O que queremos é ser mais responsáveis e mais independentes, porque só uma Europa forte e unida pode proteger os nossos cidadãos, das ameaças internas e externas".

Juncker acabou o discurso com referências ao problema dos migrantes que a Europa enfrenta. A sua última frase foi a mesma que o celebrizou há uns anos: "A Europa é o amor da minha vida."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.