Estado da União: Obama diz adeus a pensar no futuro

Lista de convidados reflete algumas das mensagens que o presidente quer passar, como o acolhimento de refugiados e o controlo de armas. Guantánamo também vai ser falado

Barack Obama dirige-se hoje ao Congresso, naquele que será o seu último discurso do Estado da União. "Neste discurso sobre o estado da União, quero enfatizar, além dos progressos notáveis que conseguimos, o que temos de fazer em conjunto nos próximos anos. As grandes coisas que vão garantir aos nossos filhos uma América ainda mais forte e mais próspera", adiantou o presidente norte-americano num vídeo divulgado pela Casa Branca.

Com início marcado para as 21.00 locais (02.00 de quarta-feira em Lisboa), prevê-se que Barack Obama não apresente uma longa lista de propostas legislativas, mas sim uma mensagem que marque a agenda da campanha para as presidenciais. "No ano passado, ele falou para o Congresso. Neste ano, falará mais para o público norte-americano", disse ao The New York Times Jennifer Psaki, diretora de comunicação da Casa Branca.

Paralelamente tentará ganhar apoio para as suas políticas sobre as alterações climáticas, controlo de armas e imigração. Temas que estarão espelhados na lista de convidados da Casa Branca.

Um dos temas em destaque neste Estado da União será ainda o regresso à promessa de encerrar a prisão de Guantánamo, adiantou o seu chefe de gabinete, Denis McDonough, ao Fox News Sunday.

O presidente irá apresentar ao Congresso o muito aguardado plano sobre o encerramento destas instalações, e tentar conseguir a sua aprovação, adiantou o mesmo responsável. Se o Congresso não atuar, a Casa Branca irá determinar os passos seguintes a dar. "Ele sente uma obrigação para com o próximo presidente. Ele quer resolver isto para que não tenham de ser confrontados com os mesmos desafios", explicou McDonough.

Herói das Lajes na plateia

Refaai Hamo, um refugiado sírio, e Naveed Shah, um antigo soldado norte-americano muçulmano nascido na Arábia Saudita, são dois dos convidados da Casa Branca para o discurso de hoje.

Hamo chegou a 18 de dezembro a Detroit com três filhas e um filho, depois de ter passado dois anos na Turquia. Fugiu da Síria depois de um míssil das forças de Bashar al-Assad ter destruído o complexo onde vivia com a família. A mulher, uma das filhas e cinco outros familiares morreram no ataque.

Na opinião de Valerie Jarrett, uma das conselheiras mais próximas de Obama, a escolha dos convidados deste ano representa a trajetória desta administração, bem como o papel do cidadão comum nas suas políticas. Por exemplo, convidar Hamo é uma resposta aos republicanos do Congresso, que realizaram uma primeira votação para travar o acolhimento de refugiados sírios.

Simbólico será também o lugar que ficará vazio na zona reservada aos convidados em homenagem às vítimas das armas de fogo, numa altura em que Obama tenta convencer o Congresso e a opinião pública da necessidade de agravar a legislação sobre armamento.

Jim Obergefell, cuja queixa por discriminação levou à legalização pelo Supremo do casamento homossexual, é também um dos convidados. Um antigo migrante clandestino mexicano, que chegou aos Estados Unidos ainda em criança e conseguiu obter uma autorização de residência permanente depois de ter regressado ao México, estará também presente para lembrar o compromisso de Obama na legalização de milhões de clandestinos.

Na lista de convidados encontra-se também Spencer Stone, o militar da Força Aérea dos EUA que já serviu na Base das Lajes e que foi um dos heróis da tentativa de ataque no comboio de alta velocidade francês Thalys em agosto, e Satya Nadella, diretor executivo da Microsoft.

Transmitido pela internet

A despedida de Obama vai ser marcada também por estreias. Neste ano o discurso do Estado da União estará disponível via internet na Amazon Video e no YouTube, bem como através do site da Casa Branca.

Estas novidades são um sinal dos tempos, com os canais de televisão por satélite e cabo a queixarem-se de uma quebra de subscritores a favor da internet, pois os consumidores, cada vez mais, preferem assistir à programação em dispositivos móveis. Após o discurso, o presidente dos Estados Unidos irá responder a perguntas colocadas pelos norte-americanos via YouTube, uma tradição iniciada em 2010.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.