Estado da Geórgia leva a cabo primeira execução do ano

O homem foi condenado pelo assassínio, em janeiro de 1992, por esfaqueamento, de Harry Johnston

O estado norte-americano da Geórgia levou a cabo hoje a sua primeira execução do ano, matando um homem condenado por assassinar o seu vizinho de 73 anos em 1992.

J.W. Ledford Jr., de 45 anos, foi declarado morto às 01:17 numa prisão em Jackson, mais de seis horas depois da hora marcada para sua execução. O atraso deveu-se à espera de uma decisão do Supremo Tribunal, que negou o seu pedido de uma suspensão.

O homem foi condenado pelo assassínio, em janeiro de 1992, por esfaqueamento, de Harry Johnston.

Ledford disse à polícia que tinha ido a casa de Johnston no dia 31 de janeiro para lhe pedir uma boleia para a mercearia. Depois de o homem o acusar de roubar e lhe dar uma estalada, Ledford sacou de uma faca e atingiu-o até à morte, de acordo com o tribunal.

Depois, Ledford foi a casa de Johnston com uma faca e exigiu dinheiro à mulher da sua vítima. Depois de prender a mulher e fugir com o dinheiro e a carrinha de Johnston, Ledford foi detido.

Ledford foi o primeiro recluso executado este ano na Georgia. O estado executou nove reclusos no ano passado, mais que qualquer outro estado norte-americano e o número mais elevado na Georgia num só ano desde que o Supremo Tribunal autorizou o regresso da pena de morte, há 40 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?