Estação de metro de Londres de Holborn evacuada devido a "alerta de incêndio"

Não são conhecidos, para já, mais detalhes do que aconteceu. Passageiros dizem ter ouvido estalidos seguidos de fumo

A estação de metro de Londres de Holborn foi evacuada hoje devido a um "alerta de incêndio", segundo informação da empresa Transporte para Londres (Tfl), encarregada de gerir a rede.

Numa mensagem na rede social Twitter, a Tfl indicou que a estação tinha sido encerrada e instava os cidadãos a utilizar "vias alternativas onde for possível".

Por seu lado, o Serviço de Bombeiros da cidade também confirmou numa outra mensagem no Twitter que tinham enviado duas unidades e 10 efetivos em resposta ao incidente, do qual não conhecidos mais detalhes.

Agentes da Polícia Britânica do Transporte encontram-se no local para investigar a ocorrência.

Alguns passageiros que se encontravam na estação indicaram, em mensagens colocadas nas redes sociais, que tinham ouvido "estalidos", seguidos de fumo, tendo muitos cidadãos entrado em pânico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.