Estabilidade e não só: cinco desafios do governo de Sánchez

Sánchez anunciou esta quarta-feira o seu governo com maioria de mulheres e europeísta. Toma posse quinta-feira de manhã e enfrenta desafios como o da estabilidade política e parlamentar, confiança dos mercados, saúde da economia, País Basco pós-dissolução da ETA e Catalunha face à escalada do independentismo

Pedro Sánchez apresentou esta quarta-feira à tarde a composição do seu governo, com 11 mulheres e seis homens entre os ministros. Histórico. É a primeira vez que acontece em Espanha. Recupera o Ministério da Cultura e cria os da Indústria, Comércio e Turismo e da Ciência. O governo, definido como europeísta pelo líder do PSOE, toma posse esta quinta-feira de manhã perante o Rei Felipe VI.

Entre os nomes femininos mais sonantes estão o de Nadia Calviño para ministra das Finanças. A galega era, até agora, responsável pela direção geral do orçamento na Comissão Europeia. E o de Dolores Delgado para a pasta da Justiça. Procuradora especialista na luta ao terrorismo islâmico, é tida como próxima do juiz Baltasar Garzón.

Recorde-se que Garzón foi proibido, em 2012, de exercer a profissão de juiz durante 11 anos por ter ordenado escutas entre os advogados de defesa e os arguidos do caso Gürtel. A sentença de uma parte deste processo por corrupção, na qual o PP de Mariano Rajoy foi condenado a uma multa de 245 mil euros, foi precisamente o que motivou a moção de censura de Sánchez. Aprovada na sexta-feira passada, levou à queda do governo do PP, agora substituído por um do PSOE.

A pasta do Interior ficará nas mãos do basco Fernando Grande-Marlaska, que tal como Garzón ganhou notoriedade na luta contra o terrorismo da ETA. A dos Negócios Estrangeiros e União Europeia foi entregue ao catalão Josep Borrell, ex-presidente do Parlamento Europeu. O ministro da Cultura e Desporto será Maxim Huerta e a ministra da Indústria, Comércio e Turismo Reyes Maroto. O da Ciência é o astronauta Pedro Duque. A Defesa, tal como acontecia até agora com Mariano Rajoy, voltará a ser entregue a uma mulher. Margarita Robles sucede a María Dolores de Cospedal.

A estabilidade é um dos cinco desafios principais que podem pensar para o novo chefe do governo espanhol, senão o maior de todos eles. Isto porque o PSOE de Pedro Sánchez é minoritário no Parlamento. Os socialistas contam apenas com 84 deputados, num total de 350.

"Este governo de Sánchez foi desenhado para ficar no poder, não para ir a eleições daqui a quatro dias e isso todos sabem", disse hoje o jornalista Carlos Herrera na Cope. Mas para ficar no poder são precisos acordos pontuais - para fazer avançar os vários dossiês - com os diversos partidos. Especialmente os da chamada geringonça que apoiaram Sánchez contra Rajoy (Unidos Podemos, PNV, ERC, PDeCAT, EH Bildu, Compromís e Nueva Canarias).

A seguir à estabilidade, talvez o segundo maior desafio seja transmitir confiança aos mercados, pois como se viu no caso de Itália, a incerteza na política pode levar a fortes perdas na Bolsa. Desde que Sánchez apresentou a moção contra o governo dos populares, a Bolsa espanhola caiu cinco jornadas consecutivas e segundo o porta-voz do PP no Parlamento "perderam-se 34 mil milhões de euros".

A estabilidade política e parlamentar é necessária também para a saúde da economia espanhola. O Senado vai votar o Orçamento do Estado, do tempo de Rajoy, nos dias 19 e 20 deste mês. E apesar das ameaças de algumas vozes, o PP, que tem maioria nessa câmara, indicou que não vai alterar o investimento aprovado para o País Basco. Isso poderia ser uma forma de castigar o PNV, que viabilizou o Orçamento ao lado do PP e, depois a seguir, a moção de censura do PSOE. Os anos de Rajoy ficaram creditados pela recuperação económica, depois de herdar do socialista José Luis Rodríguez Zapatero uma situação complicada, que obrigou, inclusivamente, a resgatar bancos.

A relação com um País Basco pós-dissolução da ETA e com uma Catalunha em pleno processo de rebelião a favor da independência são os quartos e quinto desafios a enfrentar pelo governo de Sánchez. Partidos como o basco EH Bildu poderão insistir na concentração de etarras presos. Um assunto sempre controverso. E o catalão PDeCAT exigir o levantamento do artigo 155.º da Constituição espanhola - acionado por Rajoy após o referendo iilegal na Catalunha - bem como a libertação de líderes independentistas detidos. Para já não falar no regresso do ex-presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, no exílio, em Berlim, por ser atualmente alvo de mandado de captura pela justiça esapanhola.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.