Esqueleto encontrado com botas que resistiram 500 anos

As ossadas de um homem que terá morrido jovem foram encontradas no rio Tamisa. O calçado de couro que usava estava praticamente intacto

O esqueleto de um homem foi encontrado no rio Tamisa, em Londres, e calcula-se que tenha vivido no final do século XV ou início do século XVI. No entanto, o inédito da descoberta foi o facto de as ossadas conservarem umas botas de couro praticamente intactas 500 anos depois

A descoberta foi feita em Bermondsey, no sul de Londres, por arqueólogos que trabalham a par da construção do novo túnel de esgotos londrino. O mistério das botas altas - até à coxa - intrigou a equipa, que decidiu levar mais longe a investigação.

O couro era uma mercadoria cara no período Tudor - entre 1485 e 1603 - e é improvável que alguém fosse enterrado com um artigo tão dispendioso. Os arqueólogos acreditam que a morte não foi natural, até porque na época as margens do Tamisa eram um lugar perigoso. O esqueleto pode ser de um pescador ou até de um marinheiro.

"Ao estudarmos as botas, conseguimos obter uma visão fascinante da vida quotidiana de um homem que viveu há 500 anos", disse Beth Richardson, investigador da Mola Headland, citado pela CNN.

O que se sabe sobre o calçado ultra resistente é que tinham solas extra revestidas com musgo ou com um material semelhante. O objetivo era torná-las mais duradouras e adaptadas para terrenos difíceis, de acordo com especialistas em conservação.

A investigação das ossadas também forneceu pistas importantes para desvendar o mistério. Terá morrido com menos de 35 anos e tinha marcas profundas nos dentes, provavelmente causadas "por uma ação repetitiva, como passar corda entre os dentes", o que era um hábito comum entre os pescadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.