Esperados 90 mil visitantes em festival no Little Portugal de Toronto

Este é já o quinto ano do festival

A zona portuguesa de Toronto conhecida como "Little Portugal" deverá receber cerca de 90 mil visitantes durante um festival de rua a realizar no dia 03 de junho, disse hoje à agência Lusa, uma promotora.

O 'Dundas West Fest' vai percorrer a Dundas Street West, deste a Ossington Avenue até à Lansdowne Avenue, das 11:00 da manhã, do dia 3 de junho, até à meia-noite.

"Estamos já no quinto ano do festival. Nesta edição esperamos receber cerca de 70 a 90 mil visitantes", afirmou Anabela Taborda, presidente da direção do Associação Comercial e Serviços (BIA) do 'Little Portugal', que organiza o certame, numa parceria com as autoridades da 'Dundas West.

A aposta deste ano é num "maior envolvimento" dos comerciantes locais, além de uma maior interação entre as duas associações comerciais e de serviços.

Mais de 400 estabelecimentos comerciais localizados na Dundas Street West vai colaborar no festival, a maioria terá os seus produtos expostos em esplanadas.

Estão também confirmados mais de 150 participantes externos das mais diversas áreas, desde gastronomia, passando pelo desporto, cultura e pela diversão.

O mercado de roupa usada (vintage) é outro dos "destaques" do certame, verificando-se também uma área onde estarão em exibição cabras.

A comunidade portuguesa é aquela com maior expressão no bairro, juntamente com a vietnamita, e os seus produtos serão expostos ao longo da rua, que estará cortada ao trânsito e acessível aos peões.

Estarão também montados quatro palcos com artistas locais, sendo que do meio-dia até às 17:00, a rádio comunitária, CIRV FM, terá uma emissão especial, com artistas locais portugueses, num palco.

"Esta é uma festa comunitária, não só dos portugueses, mas de todas as outras comunidades que residem nesta área", sublinhou.

Ambas as direções das Associações Comerciais e Serviços (Little Portugal e Dundas West) pretendem fundir-se numa única estrutura.

"É um processo que terá de ser aprovado pelos associados e pela Câmara Municipal de Toronto, que "deverá só acontecer em 2018", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.