Esperados 90 mil visitantes em festival no Little Portugal de Toronto

Este é já o quinto ano do festival

A zona portuguesa de Toronto conhecida como "Little Portugal" deverá receber cerca de 90 mil visitantes durante um festival de rua a realizar no dia 03 de junho, disse hoje à agência Lusa, uma promotora.

O 'Dundas West Fest' vai percorrer a Dundas Street West, deste a Ossington Avenue até à Lansdowne Avenue, das 11:00 da manhã, do dia 3 de junho, até à meia-noite.

"Estamos já no quinto ano do festival. Nesta edição esperamos receber cerca de 70 a 90 mil visitantes", afirmou Anabela Taborda, presidente da direção do Associação Comercial e Serviços (BIA) do 'Little Portugal', que organiza o certame, numa parceria com as autoridades da 'Dundas West.

A aposta deste ano é num "maior envolvimento" dos comerciantes locais, além de uma maior interação entre as duas associações comerciais e de serviços.

Mais de 400 estabelecimentos comerciais localizados na Dundas Street West vai colaborar no festival, a maioria terá os seus produtos expostos em esplanadas.

Estão também confirmados mais de 150 participantes externos das mais diversas áreas, desde gastronomia, passando pelo desporto, cultura e pela diversão.

O mercado de roupa usada (vintage) é outro dos "destaques" do certame, verificando-se também uma área onde estarão em exibição cabras.

A comunidade portuguesa é aquela com maior expressão no bairro, juntamente com a vietnamita, e os seus produtos serão expostos ao longo da rua, que estará cortada ao trânsito e acessível aos peões.

Estarão também montados quatro palcos com artistas locais, sendo que do meio-dia até às 17:00, a rádio comunitária, CIRV FM, terá uma emissão especial, com artistas locais portugueses, num palco.

"Esta é uma festa comunitária, não só dos portugueses, mas de todas as outras comunidades que residem nesta área", sublinhou.

Ambas as direções das Associações Comerciais e Serviços (Little Portugal e Dundas West) pretendem fundir-se numa única estrutura.

"É um processo que terá de ser aprovado pelos associados e pela Câmara Municipal de Toronto, que "deverá só acontecer em 2018", concluiu.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.