Espanha sai em "defesa do património" e quer saber mais sobre o galeão

Presidente da Colômbia anunciou descoberta de navio espanhol naufragado no século XVIII com tesouro multimilionário

O secretário de Estado da Cultura espanhol, José María Lassalle, estava em Cuba quando o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou com pompa e circunstância ter descoberto os destroços do galeão San José.

O navio foi localizado, segundo Bogotá, no mar do Caribe, ao largo de Cartagena, e suspeita-se que tenha naufragado com um tesouro multimilionário a bordo: entre moedas de ouro, de prata e pedras preciosas, estima-se que que o San José transportasse carga num valor entre os três mil milhões e os 17 mil milhões de dólares (entre os 2,7 mil milhões e os 15,5 mil milhões de euros).

O presidente da Colômbia divulgou o achado que, segundo as leis aprovadas há dois anos pelo parlamento colombiano, é património cultural submerso por se encontrar em águas nacionais. Nas últimas décadas, no entanto, a empresa norte-americana Sea Search Armada (SSA) manteve um litígio com o estado colombiano precisamente por questões de património: reclamava ter localizado os destroços do San José e queria receber metade do valor do tesouro naufragado. A questão arrastou-se na justiça até que, em 2010, a SSA reconheceu a derrota e pediu uma indemnização pelos custos da operação.

Porém, junta-se agora um novo detalhe a esta já complicada equação: a Espanha, que afinal era a dona inicial do navio, não vai assistir de braços cruzados ao resgate da valiosa carga e exige explicações ao governo colombiano.

Segundo o El País, o Ministério da Cultura espanhol não gostou do "triunfalismo" de Juan Manuel Santos e já admitiu que considera "preocupante" a aplicação da lei colombiana de 2013 relativa à proteção do património submerso, Mais: o secretário de Estado espanhol sublinhou, a partir de Havana, que "o governo espanhol vai solicitar ao colombiano uma informação precisa sobre a aplicação da legislação do seu país na qual fundamenta e justifica a intervenção sobre destroços espanhóis". Em seguida, Espanha irá analisar os dados para decidir que medidas tomar em defesa do património subaquático e a respeito das convenções da UNESCO com as quais o país há muitos anos se comprometeu.

Com cautela, garantiu o responsável, Espanha vai defender o seu património e reserva-se a adotar as medidas que considerar necessárias para a salvaguarda do mesmo. Uma ação que não era inesperada, se tivermos em conta os milhões de euros que podem estar, nesta altura, no fundo do mar.

O presidente da Colômbia explicou no sábado que o galeão espanhol San José tinha sido encontrado no dia 27 de novembro passado, divulgando nas redes sociais o vídeo em que os investigadores do Instituto Colombiano de Antropologia e História se congratulavam pelo achado depois de tantos anos de buscas.

O navio foi atacado pela armada britânica e naufragou em 1708, em plena guerra da sucessão espanhola, enquanto transportava tesouros do Peru para Espanha.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.