Espanha avalia multa de 4,5 milhões de euros à Ryanair pela suspensão de voos

Ministro espanhol fala em "caso sério" e que irão ser defendidos os "direitos dos passageiros"

O ministro do Fomento de Espanha, Íñigo de la Serna, avançou esta quarta-feira que a transportadora Ryanair poderá ser multada em 4,5 milhões de euros por ter suspendido 514 voos com origem ou destino no país.

"Isto é um caso sério. Estamos a falar num conjunto de sanções que, neste momento, devem ser do plano económico", disse o responsável governamental em declarações à Rádio Nacional Espanhola citadas pela agência EFE.

De la Serna explicou que cabe à Agência Estatal de Segurança Aérea (AESA) determinar a gravidade da decisão e o tipo de sanção que deve ser aplicada, dando a entender que a empresa irlandesa, neste momento, não corre o risco de ver suspendida a sua licença de operar em Espanha.

De la Serna avançou que o inquérito "acaba começar" com o envio de uma carta pessoal ao presidente executivo da Ryanair, Michael O'Leary, que irá agora dar explicações sobre o sucedido.

O ministro acrescentou que, no caso de a transportadora não dar explicações adequadas, a AESA irá criar um mecanismo para que as pessoas afetadas possam apresentar uma reclamação sem custos.

"Estamos a seguir o caso com atenção e vamos defender os direitos dos passageiros", assegurou Íñigo de la Serna.

Na passada sexta-feira, a companhia aérea 'low cost' (baixo custo) anunciou o cancelamento de 40 a 50 voos por dia durante seis semanas, até ao final de outubro, num total de cerca de 2.000 voos, com o objetivo de "melhorar a sua pontualidade", que diz ter caído "abaixo de 80%" nas duas primeiras semanas de setembro.

Na segunda-feira, o presidente executivo da Ryanair, Michael O'Leary, assegurou que o cancelamento de voos nas próximas seis semanas não se deve a falta de pilotos, mas a um "erro" na distribuição de férias, tendo assumido "toda a responsabilidade pessoal".

Numa conferência de imprensa realizada em Dublin, sede da companhia aérea, O'Leary pediu desculpas aos milhares de passageiros que serão afetados por esta medida, mas insistiu que apenas serão afetados 2% de todos os voos da companhia, líder na Europa no setor 'low cost'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.