Espanha avalia multa de 4,5 milhões de euros à Ryanair pela suspensão de voos

Ministro espanhol fala em "caso sério" e que irão ser defendidos os "direitos dos passageiros"

O ministro do Fomento de Espanha, Íñigo de la Serna, avançou esta quarta-feira que a transportadora Ryanair poderá ser multada em 4,5 milhões de euros por ter suspendido 514 voos com origem ou destino no país.

"Isto é um caso sério. Estamos a falar num conjunto de sanções que, neste momento, devem ser do plano económico", disse o responsável governamental em declarações à Rádio Nacional Espanhola citadas pela agência EFE.

De la Serna explicou que cabe à Agência Estatal de Segurança Aérea (AESA) determinar a gravidade da decisão e o tipo de sanção que deve ser aplicada, dando a entender que a empresa irlandesa, neste momento, não corre o risco de ver suspendida a sua licença de operar em Espanha.

De la Serna avançou que o inquérito "acaba começar" com o envio de uma carta pessoal ao presidente executivo da Ryanair, Michael O'Leary, que irá agora dar explicações sobre o sucedido.

O ministro acrescentou que, no caso de a transportadora não dar explicações adequadas, a AESA irá criar um mecanismo para que as pessoas afetadas possam apresentar uma reclamação sem custos.

"Estamos a seguir o caso com atenção e vamos defender os direitos dos passageiros", assegurou Íñigo de la Serna.

Na passada sexta-feira, a companhia aérea 'low cost' (baixo custo) anunciou o cancelamento de 40 a 50 voos por dia durante seis semanas, até ao final de outubro, num total de cerca de 2.000 voos, com o objetivo de "melhorar a sua pontualidade", que diz ter caído "abaixo de 80%" nas duas primeiras semanas de setembro.

Na segunda-feira, o presidente executivo da Ryanair, Michael O'Leary, assegurou que o cancelamento de voos nas próximas seis semanas não se deve a falta de pilotos, mas a um "erro" na distribuição de férias, tendo assumido "toda a responsabilidade pessoal".

Numa conferência de imprensa realizada em Dublin, sede da companhia aérea, O'Leary pediu desculpas aos milhares de passageiros que serão afetados por esta medida, mas insistiu que apenas serão afetados 2% de todos os voos da companhia, líder na Europa no setor 'low cost'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.