Falha informática encerrou todo o espaço aéreo belga durante duas horas

Os céus de Bruxelas ficaram temporariamente sem aviões. Uma falha no carregamento de dados de voo impediu o normal funcionamento de seis aeroportos da Bélgica

A Bélgica encerrou o seu espaço aéreo devido a um problema de sobrecarga nos seus planos de voo, anunciou a Belgocontrol, a empresa responsável pelo controlo do tráfego aéreo, que se referiu a um "problema muito raro", entretanto já resolvido.

Os aviões não puderam sobrevoar o país desde cerca das 16:00 locais (15:00 em Lisboa). Por volta das 17:00 em Lisboa, (18:00 em Bruxelas) o problema ficou resolvido.

"Alguns aviões estão em terra, outros foram forçados a aterrar", referiu em declarações à agência noticiosa France-Presse (AFP) Alain Kniebs, porta-voz da Belgocontrol, que se referiu a uma situação de caráter excecional.

"Trabalhamos numa solução para resolver o problema", insistiu Kniebs, sem precisar um prazo.

Numa mensagem na rede social Twitter, a empresa disse que estava a promover o "céu limpo" até à resolução dos problemas técnicos com os planos de voo digitais.

A Belgocontrol não estava em condições de referir quantos voos e quantos passageiros foram afetados pela situação. Mas o jornal De Morgen adianta que só no Brussels Airport foram cancelados 15 voos.

Seis aeroportos belgas, incluindo o Brussels Airport e o Charleroi, foram afetados pela falha informática, para além de todos os aviões que sobrevoam a país até 8.000 metros de altitude, que corresponde à zona gerida pela Belgocontrol.

Para cima dos 8.000 metros, é um outro centro, em Maastricht (Holanda), que controla os aviões que sobrevoam território belga.

Todos os voos que estavam a caminho de um aeroporto belga foram desviados e os aviões que estavam programados para partir foram mantidos no solo.

Os voos que estavam em circulação e cujo destino era o solo belga, foram desviados para os aeroportos vizinhos de Lille, Amesterdão, Eindhoven ou Maastricht.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."