Falha informática encerrou todo o espaço aéreo belga durante duas horas

Os céus de Bruxelas ficaram temporariamente sem aviões. Uma falha no carregamento de dados de voo impediu o normal funcionamento de seis aeroportos da Bélgica

A Bélgica encerrou o seu espaço aéreo devido a um problema de sobrecarga nos seus planos de voo, anunciou a Belgocontrol, a empresa responsável pelo controlo do tráfego aéreo, que se referiu a um "problema muito raro", entretanto já resolvido.

Os aviões não puderam sobrevoar o país desde cerca das 16:00 locais (15:00 em Lisboa). Por volta das 17:00 em Lisboa, (18:00 em Bruxelas) o problema ficou resolvido.

"Alguns aviões estão em terra, outros foram forçados a aterrar", referiu em declarações à agência noticiosa France-Presse (AFP) Alain Kniebs, porta-voz da Belgocontrol, que se referiu a uma situação de caráter excecional.

"Trabalhamos numa solução para resolver o problema", insistiu Kniebs, sem precisar um prazo.

Numa mensagem na rede social Twitter, a empresa disse que estava a promover o "céu limpo" até à resolução dos problemas técnicos com os planos de voo digitais.

A Belgocontrol não estava em condições de referir quantos voos e quantos passageiros foram afetados pela situação. Mas o jornal De Morgen adianta que só no Brussels Airport foram cancelados 15 voos.

Seis aeroportos belgas, incluindo o Brussels Airport e o Charleroi, foram afetados pela falha informática, para além de todos os aviões que sobrevoam a país até 8.000 metros de altitude, que corresponde à zona gerida pela Belgocontrol.

Para cima dos 8.000 metros, é um outro centro, em Maastricht (Holanda), que controla os aviões que sobrevoam território belga.

Todos os voos que estavam a caminho de um aeroporto belga foram desviados e os aviões que estavam programados para partir foram mantidos no solo.

Os voos que estavam em circulação e cujo destino era o solo belga, foram desviados para os aeroportos vizinhos de Lille, Amesterdão, Eindhoven ou Maastricht.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.