Erupção vulcânica no Alasca obriga a desvio de tráfego aéreo

Vulcão Pavlof está a expelir cinzas até 6000 metros de altitude

O vulcão Pavlof, localizado nas ilhas Aleutianas, no Alasca (EUA), entrou em erupção na noite de domingo, expelindo cinzas até 6000 metros, o que levou o Serviço Geológico a emitir um alerta para os voos evitarem a zona.

Localizado a 965 quilómetros a sudoeste de Anchorage, o vulcão, um dos mais ativos do arquipélago, teve 40 outras erupções, de acordo com o Serviço Geológico, sendo vigiado constantemente pelos cientistas do Observatório Vulcânico do Alasca (AVO).

A maior parte dos vulcões do Alasca encontra-se longe das zonas habitadas, mas o tráfego aéreo sobre as ilhas Aleutianas, entre a América do Norte e a Ásia, representa 20 mil a 30 mil passageiros por dia, detalhou o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

A mais recente erupção do Pavlof levou à emissão do alerta "vermelho", o mais grave dos quatro níveis definidos pela AVO.

Antes de domingo, a última grande erupção tinha sido em novembro de 2014. Consistiu em três explosões separadas, das quais a mais potente expeliu cinzas até 9.000 metros de altitude.

O Alasca conta com 52 vulcões ativos, incluindo 28 monitorizados com instrumentos no terreno. Desde 1760, os vulcões do Alasca registaram mais de 240 erupções, ou seja, uma média de uma por ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).