Erupção vulcânica no Alasca obriga a desvio de tráfego aéreo

Vulcão Pavlof está a expelir cinzas até 6000 metros de altitude

O vulcão Pavlof, localizado nas ilhas Aleutianas, no Alasca (EUA), entrou em erupção na noite de domingo, expelindo cinzas até 6000 metros, o que levou o Serviço Geológico a emitir um alerta para os voos evitarem a zona.

Localizado a 965 quilómetros a sudoeste de Anchorage, o vulcão, um dos mais ativos do arquipélago, teve 40 outras erupções, de acordo com o Serviço Geológico, sendo vigiado constantemente pelos cientistas do Observatório Vulcânico do Alasca (AVO).

A maior parte dos vulcões do Alasca encontra-se longe das zonas habitadas, mas o tráfego aéreo sobre as ilhas Aleutianas, entre a América do Norte e a Ásia, representa 20 mil a 30 mil passageiros por dia, detalhou o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

A mais recente erupção do Pavlof levou à emissão do alerta "vermelho", o mais grave dos quatro níveis definidos pela AVO.

Antes de domingo, a última grande erupção tinha sido em novembro de 2014. Consistiu em três explosões separadas, das quais a mais potente expeliu cinzas até 9.000 metros de altitude.

O Alasca conta com 52 vulcões ativos, incluindo 28 monitorizados com instrumentos no terreno. Desde 1760, os vulcões do Alasca registaram mais de 240 erupções, ou seja, uma média de uma por ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.