Erupção de vulcão nas Filipinas obriga a levar mais de mil pessoas para centros de acolhimento

O vulcão Mayon, na ilha de Luzón, a cerca de 350 quilómetros de Manila, teve pelo menos três erupções nas últimas 24 horas

Mais de mil pessoas foram levadas para centros de acolhimento nas Filipinas devido às erupções de um vulcão a este do país que produziram uma nuvem de gases e cinza, informaram hoje as autoridades.

O vulcão Mayon, na ilha de Luzón, a cerca de 350 quilómetros de Manila, teve pelo menos três erupções nas últimas 24 horas, a primeira na tarde de sábado e a última já na manhã de hoje, segundo a agência sismológica das Filipinas.

Nas últimas 24 horas centenas de famílias de localidades afetadas pelas erupções foram levadas para centros especiais da região, informou a polícia da província de Albay.

As autoridades aconselharam a população a não se aproximar de um raio de seis quilómetros do vulcão e decretaram o nível de alerta 2, que indica crescente preocupação" perante a possibilidade de erupções mais fortes e perigosas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.