Erdogan pediu aos turcos na Europa: "Façam cinco filhos"

Presidente turco diz que esta é "a melhor resposta às injustiças"

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, apelou esta sexta-feira aos turcos da diáspora na Europa para formarem famílias com pelo menos cinco filhos, considerando que seria "a melhor resposta" face "às injustiças" que enfrentam.

"Educai os vossos filhos nas melhores escolas, assegurai-vos que as vossas famílias vivam nos melhores bairros, conduzam os melhores automóveis, vivam nas melhores casas e façam cinco filhos, e não apenas três. Porque vocês são o futuro da Europa", declarou Erdogan, num discurso em Eskisehir, sul de Istambul.

Erdogan emitiu estas declarações no decurso de um comício de campanha para o referendo constitucional de 16 de abril destinado a reforçar os poderes presidenciais.

"Esta será a melhor resposta às injustiças contra vós", acrescentou.

Erdogan tem vindo a denunciar sistematicamente as discriminações de que, na sua perspetiva, são vítimas os turcos, e de forma geral os muçulmanos, na Europa, desde o início de uma crise diplomática com diversos países europeus, em particular a Alemanha e Holanda, após a proibição imposta a ministros turcos de participarem em comícios no âmbito do referendo de abril.

A diáspora turca da Europa inclui milhões de pessoas, e cerca de 2,5 milhões têm direito de voto nos escrutínios turcos.

O Presidente turco, pai de quatro filhos, tinha já exortado em 2016 as mulheres turcas a terem pelo menos três filhos, suscitando críticas dos militantes pelos direitos das mulheres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.