Erdogan clama vitória e prepara-se para ser superpresidente da Turquia

Apesar das acusações de fraude a da contestação da oposição, Recep Tayyip Erdogan acaba de se proclamar vencedor nas eleições turcas deste domingo, preparando-se, assim, para assumir uma superpresidência

"O nosso povo deu-nos a tarefa de ficar com os cargos presidencial e executivo. Espero que ninguém tenta lançar sombras sobre os resultados e prejudicar a democracia para disfarçar o seu próprio falhanço", declarou, em Istambul, aos jornalistas o presidente turco que antecipou as eleições presidenciais de legislativas para tentar consolidar o seu poder.

Com 96% dos votos contados, no que toca às presidenciais, Erdogan, do partido islamita AKP, surge com 53% dos votos, à frente do seu principal rival da oposição, Muharrem Ince, do partido secular CHP, que surge, por agora com 31%, segundo os dados das televisões que estão a ser citados pela agência Reuters.

Com 98% dos votos contados, no que toca às legislativas, o AKP surge com 43% e o seu aliado MHP 11%. No campo da oposição, o CHP, partido fundado pelo pai da Turquia moderna Kemal Atatürk, recolhe 23%. O partido pró-curdo HDP consegue, por seu lado, 11%, passando a barreira necessária para entrar no Parlamento, que é de 10%.

A oposição suscitou dúvidas sobre a credibilidade dos resultados eleitorais, dizendo que foram divulgados pela agência de notícias Anadolu, que é controlada pelo Estado, sendo também a única com acesso à informação sobre a contagem dos votos. Bulent Tezcam, porta-voz do CHP de Muharren Ince, um professor de Física conhecido crítico de Erdogan, garantiu que de acordo com dados internos do seu partido o atual presidente teria que disputar uma segunda volta. O responsável afirmou que há inúmeras denúncias de irregularidades e fraude a circular nas redes sociais.

"O povo turco elegeu Erdogan como primeiro presidente/executivo de acordo com o novo sistema. O povo turco disse que quer continuar a seguir em frente com o presidente Erdogan", declarou o porta-voz do governo da Turquia, Bekir Bozdag, em declarações feitas através do Twitter e citadas pela agência Reuters.

415 observadores estrangeiros estiveram acreditados para participar nestas eleições. A OSCE, que teve observadores no terreno e prometeu uma reação oficial para esta segunda-feira sobre os resultados, fez saber, em declarações citadas pelo jornal espanhol El Mundo "que a maior parte dos observadores foram bem recebidos ainda que, no caso de alguns, lhes tenha sido restringido o tempo de observação da votação em Diyarbakir".

No poder desde 2002, Erdogan, de 64 anos, é acusado por alguns de se comportar como se fosse um sultão. Nos últimos anos o líder turco tem também afastado o seu país da rota da adesão à União Europeia. De recordar também que, a seguir aos EUA, a Turquia tem o segundo maior exército da NATO.

As eleições de hoje, antecipadas por decisão do próprio, visavam legitimar o resultado do referendo constitucional de 2017. Assim, o presidente passa a ter poderes executivos, podendo nomear diretamente cargos públicos, incluindo ministros e juízes. Pode ainda nomear vários vice-presidentes e será o presidente a decidir quando impõe ou não o estado de emergência (a Turquia está em estado de emergência desde o golpe falhado contra Erdogan em 2016). À luz da nova Constituição, o cargo de primeiro-ministro, atualmente ocupado por Binali Yildirim, será suprimido. Ou seja, resumindo, tudo ficará nas mãos de um superpresidente. E, segundo Erdogan e seus aliados, esse superpresidente será ele.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.