Equipa de Trump contratou agência israelita para espiar diplomatas de Obama

Notícia é avançada pelo The Observer, que acrescenta que o objetivo era desacreditar a administração Obama

A equipa do Presidente norte-americano, Donald Trump, contratou uma agência privada de inteligência israelita para orquestrar uma campanha destinada a desacreditar os responsáveis da Administração de Obama pela negociação do acordo nuclear iraniano, revela hoje o jornal The Observer.

A informação foi publicada antes da data limite para Trump decidir se mantém ou abandona o pacto firmado em 2015 entre os EUA, o Reino Unido, a Alemanha, a França, a China e a Rússia, no âmbito do qual são aliviadas as sanções contra Teerão a troco de um compromisso do país de abandonar o desenvolvimento de armas nucleares.

Segundo o The Observer, funcionários próximos de Trump contrataram investigadores privados, em maio do ano passado, para conseguir informações "sujas" sobre Ben Rhodes, um dos assessores de segurança nacional do ex-presidente democrata Barack Obama, e também sobre Colin Kahl, outro assistente do antigo mandatário.

O Presidente norte-americano tem até sábado, dia 12, para decidir se os EUA abandonam o pacto que limita o programa nuclear iraniano, mas por diversas vezes já manifestou a oposição ao acordo, que apelidou de "o pior negócio de sempre".

O jornal adianta ainda que os funcionários ligados à equipa de Trump contactaram os investigadores dias depois de o Presidente ter visitado Telavive, há um ano.

Donald Trump prometeu ao primeiro ministro israelita, Benjamín Netanyahu, que o Irão nunca teria armas nucleares.

"A ideia era que estas pessoas, que atuam pelo Trump, desacreditassem aqueles que foram essenciais para alcançar o acordo, tornando mais fácil a sua saída", declarou uma fonte ligada à campanha.

De acordo com documentos a que o The Observer afirma ter tido acesso, os investigadores contratados pela agência privada de inteligência haviam recebido instruções para investigar a vida privada e política de Rhodes e de Khal.

Sobretudo, tinham como missão investigar as relações pessoais destes dois responsáveis e qualquer possível envolvimento em grupos de pressão próximos do Irão, assim como estabelecer se de alguma forma beneficiaram pessoal ou politicamente do pacto.

Os investigadores foram também orientados para procurar destacados iranianos-americanos, assim como jornalistas favoráveis ao acordo, de meios de comunicação como o New York Times ou o jornal israelita Haaretz.

O Observer acrescenta que fontes ligadas a esta campanha confirmaram que o plano foi apresentado a investigadores privados por representantes de Trump, mas não está claro se se trabalhou muito nele, se durou muito tempo e o que aconteceu com a informação eventualmente reunida.

Também não se sabe se esta operação envolveu parte de uma ampla colaboração entre Trump e Netanyahu para prejudicar o acordo, ou se os investigadores tinham outras pessoas como alvo, entre elas John Kerry, o ex-secretário de Estado que assinou o acordo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...