Equipa de televisão salva naúfrago

A equipa de um programa da televisão Animal Planet deparou-se com um homem perdido numa ilha deserta.

O dia-a-dia da equipa de filmagens do programa River Monsters, do canal Animal Planet, consiste em procurar as criaturas de água doce mais temidas. Por isso, foi uma enorme surpresa quando se deparou com um homem a pedir ajuda numa ilha deserta no Golfo de Carpentária, no norte da Austrália, a quase 100 quilómetros da cidade mais próxima.

O homem surgiu de uma gruta e, de braços no ar, chamou-lhes a atenção e pediu-lhes água. A equipa de filmagens aproximou-se e ajudou-o. Enquanto isso, a câmara continuou a filmar e o apresentador, Jeremy Wade, explicou o que se estava a passar.

Percebeu-se depois que o homem, chamado Tremine, era um pescador que se havia separado do barco há mais de dois dias. Segundo o realizador deste episódio do programa, cujas gravações decorreram em novembro, o homem estava preparado para morrer.

Stephen Shearman adiantou ao Inside Edition que o sol e o calor desorientaram o pescador, que assim não conseguiu regressar ao barco. O realizador estima que o homem tenha fica 60 horas sem água ou alimentos.

Solteiro e sem filhos, ninguém sabia que Tremine estava desaparecido. Graças à passagem da equipa de Monsters River, foi salvo. E, conta o realizador, fez uma promessa: voltar a fumar. Assim, terá sempre um isqueiro à mão para cozinhar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.