Equipa de televisão salva naúfrago

A equipa de um programa da televisão Animal Planet deparou-se com um homem perdido numa ilha deserta.

O dia-a-dia da equipa de filmagens do programa River Monsters, do canal Animal Planet, consiste em procurar as criaturas de água doce mais temidas. Por isso, foi uma enorme surpresa quando se deparou com um homem a pedir ajuda numa ilha deserta no Golfo de Carpentária, no norte da Austrália, a quase 100 quilómetros da cidade mais próxima.

O homem surgiu de uma gruta e, de braços no ar, chamou-lhes a atenção e pediu-lhes água. A equipa de filmagens aproximou-se e ajudou-o. Enquanto isso, a câmara continuou a filmar e o apresentador, Jeremy Wade, explicou o que se estava a passar.

Percebeu-se depois que o homem, chamado Tremine, era um pescador que se havia separado do barco há mais de dois dias. Segundo o realizador deste episódio do programa, cujas gravações decorreram em novembro, o homem estava preparado para morrer.

Stephen Shearman adiantou ao Inside Edition que o sol e o calor desorientaram o pescador, que assim não conseguiu regressar ao barco. O realizador estima que o homem tenha fica 60 horas sem água ou alimentos.

Solteiro e sem filhos, ninguém sabia que Tremine estava desaparecido. Graças à passagem da equipa de Monsters River, foi salvo. E, conta o realizador, fez uma promessa: voltar a fumar. Assim, terá sempre um isqueiro à mão para cozinhar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.