Enviado especial dos EUA apoia conversações incondicionais com a Coreia do Norte

Rex Tillerson, secretário de Estado, também defende conversações sem condições prévias, mas essa abertura foi contrariada pela Casa Branca

O enviado especial dos Estados Unidos para a Coreia do Norte manifestou hoje esperança de que Pyongyang aceite a oferta diplomática do secretário de Estado norte-americano de conversações incondicionais, abertura já contrariada pela Casa Branca.

Joseph Yun disse aos jornalistas, em Banguecoque, que essas conversações sobre o programa nuclear de Pyongyang podiam decorrer sem condições prévias.

Yun disse não ser claro se a Coreia do Norte está interessada em conversar a seguir a um período de acelerada atividade nuclear, afirmando que "é muito difícil discernir quais são as intenções [norte-coreanas] sem um diálogo real".

A Casa Branca contestou a oferta do secretário de Estado, Rex Tillerson, de conversações sem condições prévias, afirmando que a Coreia do Norte deve primeiro "tomar ações sinceras e significativas com vista à desnuclearização".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.