EUA satisfeitos com o compromisso de Portugal na área da Defesa

O embaixador norte-americano em Lisboa afirmou hoje que a Administração Trump está satisfeita com o empenho de Portugal em elevar os gastos no setor da Defesa, em linha com a proposta da NATO, de que cada país gaste, pelo menos, 2% do PIB no setor

Comentando a existência de missivas enviadas pelos EUA a vários parceiros da NATO a reclamar o aumento das despesas militares, George Glass disse que "Portugal não estava na lista e não recebeu essa carta".

Em causa está a proposta da NATO, pressionada pelos EUA, que exige aos parceiros que gastem um mínimo de 2% do Produto Interno Bruto na defesa comum.

Ora, segundo o embaixador norte-americano em Lisboa, "Portugal assegurou um compromisso de 2%" e, neste momento, "é isso que os EUA querem: o compromisso".

Agora, essa promessa terá de ser executada no âmbito da lei portuguesa de programação militar, explicou o diplomata, que elogiou a parceria com Portugal na área da Defesa, dando o exemplo da Base das Lajes, nos Açores.

"Lajes é uma história de sucesso", estão a decorrer trabalhos de regularização dos problemas ambientais e agora o objetivo é aumentar o tipo de presença dos militares norte-americanos, com colocações de dois anos, que lhes permita levar as famílias e ajudar a economia local.

Trata-se de uma "base estratégica operacional, com um novo centro militar", afirmou Glass, salientando que o processo de redução do efetivo "está concluído".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.