EUA satisfeitos com o compromisso de Portugal na área da Defesa

O embaixador norte-americano em Lisboa afirmou hoje que a Administração Trump está satisfeita com o empenho de Portugal em elevar os gastos no setor da Defesa, em linha com a proposta da NATO, de que cada país gaste, pelo menos, 2% do PIB no setor

Comentando a existência de missivas enviadas pelos EUA a vários parceiros da NATO a reclamar o aumento das despesas militares, George Glass disse que "Portugal não estava na lista e não recebeu essa carta".

Em causa está a proposta da NATO, pressionada pelos EUA, que exige aos parceiros que gastem um mínimo de 2% do Produto Interno Bruto na defesa comum.

Ora, segundo o embaixador norte-americano em Lisboa, "Portugal assegurou um compromisso de 2%" e, neste momento, "é isso que os EUA querem: o compromisso".

Agora, essa promessa terá de ser executada no âmbito da lei portuguesa de programação militar, explicou o diplomata, que elogiou a parceria com Portugal na área da Defesa, dando o exemplo da Base das Lajes, nos Açores.

"Lajes é uma história de sucesso", estão a decorrer trabalhos de regularização dos problemas ambientais e agora o objetivo é aumentar o tipo de presença dos militares norte-americanos, com colocações de dois anos, que lhes permita levar as famílias e ajudar a economia local.

Trata-se de uma "base estratégica operacional, com um novo centro militar", afirmou Glass, salientando que o processo de redução do efetivo "está concluído".

Ler mais

Exclusivos