"Viajar com o presidente Marcelo é como estar na tournée do Mick Jagger"

O embaixador norte-americano em Lisboa, George Glass, afirmou hoje que foi uma experiência "inesquecível" viajar com o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, nos EUA, comparando-o a uma estrela pop como o vocalista dos Rolling Stones.

"Viajar com o presidente Marcelo é como estar na 'tournée' do Mick Jagger", com "grandes multidões que querem encontrar-se com ele e apenas estar com ele", recordou George Glass, em entrevista à Lusa.

Glass esteve por duas ocasiões em junho nos EUA com Marcelo Rebelo de Sousa, nas comemorações do 10 de junho e numa visita à Casa Branca, e faz um balanço muito positivo das visitas.

O "presidente Marcelo representa Portugal para o resto do mundo e ele foi muito envolvente. Foi muito divertido", disse o embaixador, colocado em Lisboa há dez meses.

Depois de ter acompanhado visitas de Marcelo e do primeiro-ministro português, António Costa, George Glass considera que Portugal tem uma "oportunidade tremenda" para afirmar a sua marca nos EUA.

"Estamos num momento histórico alto das relações entre os dois países", afirmou, dando como exemplo a procura de turistas norte-americanos.

"As estatísticas apontam para que tenha triplicado o número de turistas norte-americanos em Portugal nos últimos três anos", um processo de reciprocidade que passa também pela afirmação da herança portuguesa nos EUA.

E George Glass citou mesmo o chefe de Estado norte-americano, Donald Trump, na recente reunião que teve com o Presidente português: "A nossa relação vai além da economia ou defesa, está no nosso sangue. Temos mais de um milhão de cidadãos com ascendência portuguesa no nosso país".

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.