"Toda a gente está aterrorizada que fracasso do Brexit permita a UKIP voltar como um zombie"

Um fracasso do 'Brexit' que implicasse que o Reino Unido continuasse na União Europeia (UE) ia "manter aberta a ferida" na sociedade britânica, alerta o editor de Europa do Financial Times, Tony Barber.

O jornalista, especializado em política europeia, considera que a possibilidade de o 'Brexit' ser revertido ('Bremain') é baixa, mas "não desapareceu completamente", e, a verificar-se, teria também consequências muito negativas para o futuro do Partido Trabalhista (Labour).

"Diria que [a possibilidade] não é elevada, de todo, mas se não conseguirem passar um acordo na Câmara dos Comuns e houver uma extensão, possivelmente desencadeando uma eleição geral, com possíveis repercussões nas eleições para o Parlamento Europeu, tudo junto pode mudar todo o ambiente, e então, sim, talvez haja uma hipótese de 'Bremain'", disse Barber em entrevista à Lusa em Lisboa.

"Mas temos de ter uma coisa presente: se isso acontecesse, ia manter aberta esta ferida tremenda na sociedade britânica que foi criada com o referendo, prolongando-se um debate controverso que se iria degradar", advertiu.

Barber considera que o mesmo é válido em relação à hipótese de um segundo referendo, defendido por alguns setores, que "seria prejudicial para toda a imagem da democracia representativa construída durante séculos" no Reino Unido.

Por outro lado, um fracasso do processo tornaria mais evidente "o enorme problema" do Labour, de recuo do apoio eleitoral nas antigas zonas industriais do país, onde "o apoio que tinham dependia decisivamente da estrutura económica do país", que "mudou completamente".

"Toda a gente no Labour está aterrorizada com a perspetiva de que um colapso do processo de 'Brexit' permita ao UKIP regressar, como um zombie que regressa do mundo dos mortos. E o UKIP agora está na extrema-direita, com Nigel Farage não era bom, era uma espécie de difamação do partido conservador, mas agora é seriamente anti-Islão", assegurou.

Barber explica que o avanço do UKIP nas eleições gerais de 2015, quando teve 12% dos votos, foi feito sobretudo à custa de derrotas dos trabalhistas nas antigas zonas industriais do país, bastões do Labour até aos anos 1970 que deixaram de o ser devido à profunda mudança na estrutura económica do país.

Criado para defender a saída do Reino Unido da UE, a aprovação do 'Brexit' no referendo de 2016 fez o UKIP perder milhões de votos, porque os apoiantes passaram a votar nos conservadores, responsáveis por liderar o processo de saída.

"Se os conservadores não conseguirem o 'Brexit', esses mesmos eleitores vão ficar tão zangados que votarão UKIP ou qualquer partido nacionalista", advertiu.

Também na UE, considera, um 'Bremain' poderia não ser tão bem acolhido pelos 27: "Muitas capitais nacionais iam pensar 'estamos fartos', 'tem sido um pesadelo tão grande com estes tipos, exceções, 'opt outs' ... E eu ouço isto, não só dos franceses, que sempre foram um pouco assim com o Reino Unido, mas até de países considerados amigos, como a Finlândia ou a Dinamarca", explicou.

"Portanto, não estou certo que a posição da nova líder da CDU alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer, de dizer ainda podem ficar se quiserem, tenha impacto. Desapareceu das notícias em menos de um dia", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.