Entrada de trabalhadores estrangeiros qualificados vai ser mais difícil

Australianos vão exigir maiores qualificações profissionais e mais conhecimentos de inglês

O primeiro-ministro da Austrália, Malcolm Turnbull, anunciou esta terça-feira o fim do popular visto temporário para trabalhadores estrangeiros e a sua substituição por autorizações de entrada que exigem maior qualificação profissional.

O chamado visto 457 era concedido a trabalhadores estrangeiros e às suas famílias durante quatro anos e procurava dar resposta a necessidades de trabalhadores em áreas com pouca procura por parte dos australianos.

Os novos vistos vão exigir experiência profissional prévia e maiores conhecimentos de inglês, entre outros requisitos.

Turnbull disse que os programas de migração devem satisfazer o interesse nacional e garantir mais postos de trabalho para os australianos.

"Não vamos mais permitir que os vistos 457 se tornem passaportes para trabalhos que poderiam e deveriam ser para australianos", disse o primeiro-ministro, numa mensagem divulgada na sua conta da rede social Facebook.

O chefe do Governo referiu que a Austrália "é produto da imigração e um país multicultural de sucesso", mas ressalvou que "os trabalhadores australianos devem ter prioridade nos empregos na Austrália".

O primeiro-ministro disse ainda que a decisão foi tomada após uma análise minuciosa da situação e negou que fosse uma resposta a partidos da extrema-direita como o One Nation.

"O Governo recusará sempre que está a endurecer as medidas de imigração. O plano de eliminar os vistos 457 deve-se ao One Nation, todos sabemos a verdade", afirmou no Twitter a líder desta formação, Pauline Hanson.

Em setembro de 2016 residiam na Austrália 95.758 pessoas com este tipo de visto, segundo os últimos dados do departamento de Imigração australiano.

Um quarto dos titulares destes vistos é oriundo da Índia, seguido do Reino Unido, com 19,5 por cento do total, e da China, com 5,8 por cento.

Segundo o primeiro-ministro, as pessoas que já possuem estes vistos não serão afetadas pela medida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.