Enterro e homenagem a vereadora assassinada reúnem multidões no Brasil

O enterro e os atos em homenagem à ativista dos direitos humanos e vereadora da Câmara Municipal do Rio de Janeiro Marielle Franco que estão a decorrer hoje em várias cidades do Brasil reúnem milhares de pessoas.

A ativista foi enterrada no início da noite de hoje no Cemitério São Francisco Xavier, localizado no bairro do Caju, na zona Portuária do Rio de Janeiro, onde uma multidão acompanhou o caixão para homenageá-la, gritando as palavras de ordem "Marielle presente".

Em frente à Assembleia legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), milhares de pessoas foram filmadas pela rede de televisão GloboNews durante em vigília.

Outra multidão concentrou-se também em frente da Câmara Municipal do Rio e Janeiro, local onde o corpo de Marielle Franco foi velado.

Em São Paulo, um ato organizado na Avenida Paulista, denominado "todas e todos nas ruas por Justiça e contra o genocídio da população negra", reúne desde às 17:00 (20:00 em Lisboa) milhares de ativistas e pessoas na frente do Museu de Arte de São Paulo (MASP).

Também aconteceram atos em Brasília, Belo Horizonte e outras capitais brasileiras.

A vereadora Marielle Franco, nascida e criada na favela da Maré militava em um partido de esquerda, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), foi assassinada, juntamente com o motorista Anderson Gomes, na noite da última quarta-feira, depois de participar num encontro com mulheres negras.

A vereadora foi atingida por quatro tiros na cabeça, dentro do carro em que viajava. O motorista do veículo também tem morte imediata. Uma assessora de imprensa que estava no carro ficou ferida por estilhaços de vidro, mas escapou com vida.

As autoridades brasileiras investigam a hipótese de que o crime ser uma execução, acreditando que o carro usado pela vereadora foi seguido durante quatro quilómetros até o crime ser cometido.

Os investigadores informaram, porém, que ainda não há nenhum suspeito.

O assassinato da vereadora Marielle Franco gerou grande comoção no Brasil e também no exterior.

O Presidente brasileiro, Michel Temer, usou a rede social Twitter para afirmar que o crime foi um "ato de extrema cobardia".

No Facebook, a filha de Marielle escreveu: "Mataram minha mãe e mais 46 mil eleitores! Nós seremos resistência porque você foi luta! Te amo!"

As reações viram-se nas ruas e também nas redes sociais. O humorista Gregorio Duvivier registou em vídeo as homenagens e partilhou-as no Twitter.

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse, após uma reunião com o general Walter Souza Braga Netto, que comanda a intervenção federal na segurança pública do Rio e Janeiro, que irá acompanhar pessoalmente a investigação do caso até que ele se encerre.

"Nós vamos encontrar e vamos punir os responsáveis por este bárbaro crime. Pelo tempo que for necessário, pelo custo que for necessário, vamos fazer Justiça à vereadora que tombou por crime", declarou.

O deputado estadual do Rio de Janeiro Marcelo Freixo, que lançou e apoiou a candidatura de Marielle Franco na câmara municipal 'carioca', afirmou que o crime tem "características nítidas" de execução e que o assassinato dela foi "um crime contra a democracia".

A procuradora-geral da Republica do Brasil, Raquel Dodge, declarou que "não faltarão recursos e meios para o desvendamento deste crime contra uma importantíssima defensora dos direitos humanos no Rio de Janeiro".

Organizações internacionais que trabalham em prol dos Direitos Humanos também condenaram publicamente o assassinato da vereadora brasileira.

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) afirmou que "é preciso pôr fim, de uma vez por todas, ao clima de impunidade no Rio de Janeiro, que alimenta o ciclo de violência. Marielle e Anderson são as últimas vítimas, dentre muitas, de um sistema de segurança falido".

A porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), Liz Throssell, também divulgou uma nota em Genebra na qual a ONU condena "o profundamente chocante assassinato no Brasil da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco e de seu motorista".

Já a Amnistia Internacional destacou que "as autoridades [do Brasil] não podem aceitar e deixar que defensores e defensoras dos Direitos Humanos sejam mortos e os seus assassinos fiquem impunes."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.