Ensino pré-escolar passa a ser gratuito em Berlim

O ensino pré-escolar vai ser obrigatoriamente gratuito em Berlim, numa tentativa de tornar a capital alemã mais atrativa para as famílias jovens

O preço máximo para extras, como lanches da manhã e da tarde, aulas de línguas ou natação, vai ser de 90 euros, a partir de setembro, e os pais pagam 23 euros pelos almoços. As creches e jardins de infância já eram teoricamente gratuitas mas os pagamentos pedidos chegavam a atingir os 500 euros. As famílias com menos posses pagavam um máximo de 2 por cento dos rendimentos.

O anúncio foi feito pela responsável do pelouro da educação de Berlim, Sandra Scheeres, provocando debate público sobre as discrepâncias nos preços entre os 16 estados alemães. Mesmo na capital, surgiram preocupações quanto a problemas já existentes, como a dificuldade de arranjar vagas, o número insuficiente de escolas e os baixos salários dos educadores.

Dez outros estados decidiram tornar gratuito o pré-escolar, seguindo as indicações do governo para reduzir o fardo dos pais que trabalham e melhorar os níveis de educação. Um dos objetivos pretendidos é estimular a inscrição de crianças filhas de imigrantes para garantir a aprendizagem da língua e as capacidades sociais.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.