Enfermeira canadiana acusada de matar oito idosos

A enfermeira terá recorrido a drogas para matar as vítimas

Uma enfermeira canadiana foi esta terça-feira acusada de ter assassinado oito residentes de dois lares de idosos onde trabalhou durante sete anos, diz a polícia de Ontário, Canadá.

Segundo a polícia, Elizabeth Wettlaufer, de 49 anos, terá matado cinco mulheres e três homens com idades entre os 75 e os 96 anos, administrando-lhes drogas. Os crimes ocorreram entre 2007 e 2014.

Numa conferência de imprensa, a polícia avançou que começou a investigar o caso depois de ter recebido uma denúncia, não avançando mais detalhes.

O chefe da polícia, William Renton, disse que "esta investigação está a ser tratada como um múltiplo homicídio".

A polícia continua a investigar o caso para avaliar se existem outras vítimas, uma vez que a enfermeira trabalhou noutras instalações, diz a BBC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.