Comprou Nesquik mas levou para casa 13 mil euros em cocaína

Quantidade de cocaína comprada sem querer foi avaliada em 13 mil euros

Um homem encontrou em dezembro um pacote de 250 gramas de cocaína dentro de uma embalagem de Nesquik que tinha acabado de comprar num supermercado em Saragoça, Espanha. A cocaína, adquirida sem intenção durante as compras de Natal, tinha um valor de mercado de cerca de 13 mil euros.

A polícia espanhola garante que a embalagem não veio da fábrica com a droga e está a investigar quem poderá ter adulterado o pacote de chocolate em pó, no supermercado, antes de ele ser vendido. Até ao momento, ninguém foi detido.

Segundo o jornal local Heraldo, as autoridades estão a analisar as impressões digitais encontradas na embalagem e as câmaras de segurança da loja para detetar movimentos suspeitos de clientes e trabalhadores da loja.

O homem que comprou o Nesquik apenas desconfiou que o pacote de chocolate em pó tinha sido adulterado quando chegou a casa e reparou que a embalagem não estava devidamente fechada. Quando viu o pacote com um pó branco foi logo para a esquadra da polícia mais próxima com o recibo do supermercado na mão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.