Encontrei em Bissau o filho do furriel português

Serão 500 os guineenses filhos de pai português, de um desses cerca de 200 mil militares que por lá combateram na Guerra do Ultramar. Fernando Hedgar da Silva é um dos "filhos de tuga" e a sua história até deu nome a um livro

Fernando Hedgar da Silva está junto ao talhão dos combatentes portugueses no cemitério de Bissau e tenta aproximar-se de Rui Rio, que participa numa cerimónia de homenagem. É o livro verde na mão que me desperta a atenção. Digo que sou jornalista e a resposta é um sorriso e uma explicação: "O meu nome é Fernando Edgar da Silva, com H no Hedgar. Foi o que encontrei no meu batismo. Mas não sabia disso, vivi com o nome Fernandinho da Silva nos documentos muitos anos. A Catarina Gomes conta a minha história no livro. Sou o que pensava que o pai português se chamava Furriel."

Catarina é jornalista. Fernando apareceu na reportagem no Público que ela escreveu sobre os filhos que os portugueses deixaram em África. Os "filhos do vento" ou os "filhos do tuga", designações que desagradam sempre a alguém, mas que tentam explicar o que são estes africanos de pele mais clara que há décadas sofrem discriminação por serem filhos de soldados que estiveram na guerra do ultramar e em algum momento se envolveram com mulheres guineenses, angolanas ou moçambicanas.

Premiada, a reportagem evoluiu para um excelente livro, até apresentado em Lisboa por Ferreira Fernandes, o diretor do DN. Furriel não É Nome de Pai é o título. Editado pela Tinta da China, tem capa verde. Já o comprara e foi assim que percebi o que Fernando trazia.

Fernando cresceu em Teixeira Pinto, hoje Canchungo. Nessa terra do leste da Guiné, recorda-se de em menininho ser acarinhado pelos soldados portugueses. Davam-lhe marmelada. Lembra-se das dificuldades que viveu depois de a independência proclamada pelo PAIGC ser reconhecida por Portugal em 1974, teria ele uns 6 anos, por ser na lá terra o "branco da mãe, o seu branco, a única coisa que ela ganhou dos portugueses". Do pai quase nada sabe. "Sei que era de um batalhão que estava lá. Como não percebo nada de militares, tentei procurar se um batalhão é composto de quantos pelotões e mais não sei quê, mas não consegui ainda até agora. Tenho de procurar um militar português, um furriel, mas quando chego lá dizem que não têm tempo. Qualquer filho tem de saber quem é o pai e a mãe. Eu sei quem é a minha mãe, é guineense, mas o meu pai não sei quem é. Eu identifico-me como do norte", conta-me Fernando, que fundou a Associação Fidju di Tuga, mulatos que como ele querem saber quem era o pai. Ao seu lado, Pedro Lopes, também filho de militar português. Está com a camisola da seleção, o 7 de Ronaldo. Os dois posam para Leonardo Negrão, o repórter fotográfico que está comigo.

É por pensar que o pai é do norte, talvez do Porto, que Fernando insiste em falar com Rui Rio. Quer dar a conhecer o seu caso e o de outros. Rio, que escolheu Bissau para passar o primeiro Dia de Portugal como líder do PSD, aceita conversar. Fernando mostra o livro ao antigo presidente da Câmara do Porto. Falam uns minutos. Quase que posso adivinhar que Fernando tenta resumir a sua história enquanto pede a Rio que o ajude a ser português. "É isso que eu tento, nacionalidade e proteção para nós, filhos que os militares deixaram para trás, e os nossos descendentes", diz-me no final. E pede que eu ajude também a que em Portugal se conheça os "filhos de tuga". É por isso que conto agora este episódio. Nunca é tarde de mais.

Em Bissau. O DN viajou a convite da EuroAtlantic

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.