Encontrados destroços do navio onde morreram os irmãos Sullivan

O USS Juneau foi encontrado a 4200 metros de profundidade, ao largo da costa das Ilhas Salomão, no Pacífico Sul

Foi um dos episódios mais trágicos da II Guerra Mundial: atingido por torpedos japoneses, o USS Juneau naufragou e levou para a morte 687 homens, incluindo cinco irmãos da mesma família, os Sullivan. Agora, uma expedição encontrou os destroços do navio de guerra

Os destroços foram encontrados a 17 de março, a 4200 metros de profundidade, ao largo da costa das Ilhas Salomão, no Pacífico Sul, pela expedição Petrel R/V, financiada pelo co-fundador da Microsoft, Paul Allen.

Afundado por dois torpedos japoneses durante a Batalha de Guadalcanal, em novembro de 1942, no incidente morreram 687 homens, incluindo os cinco irmãos Sullivan. Foi por causa deste incidente, aliás, que a Marinha dos Estados Unidos tomou a decisão de não voltar a permitir que todos os membros de uma única família se alistassem no mesmo navio e a tragédia serviu de inspiração para a longa-metragem "Saving Private Ryan" (1998), de Steven Spielberg.

"Não planeámos encontrar o Juneau no Dia de São Patrício [santo padroeiro da Irlanda). Há muitas variáveis em buscas deste género", disse Robert Kraft, diretor de operações de Paul Allen, em declarações ao site oficial do filantropo norte-americano. "Mas encontrar o USS Juneau no Dia de São Patrício é uma coincidência inesperada para os irmãos Sullivan e para todos os soldados desaparecidos há 76 anos", disse Kraft.

"Como o quinto oficial comandante do USS The Sullivans [um navio que recebeu o nome dos cinco irmãos], fiquei entusiasmado ao saber que Allen e a sua equipa conseguiram localizar o USS Juneau que afundou durante a Batalha de Guadalcanal ", disse o vice-almirante Rich Brown, citado no mesmo site.

"Visitei [o navio] The Sullivans no início deste mês e posso dizer-lhe que o espírito de luta dos irmãos Sullivan - George, Frank, Joe, Matt e Al - sobrevive através da atual tripulação. A equipa incorpora o lema do navio, 'We Stick Together'" [permanecemos juntos], disse Brown, acrescentando que "a história da tripulação do USS Juneau e dos irmãos Sullivan simboliza o serviço e o sacrifício da maior geração da nossa nação".

Durante a fatídica batalha de 13 de novembro de 1942, dois torpedos atingiram o navio onde estavam ao serviço os cinco irmãos. Um dos torpedos provocou uma explosão que cortou a embarcação ao meio e matou a maioria dos homens a bordo, incluindo os cinco Sullivan.

O Juneau afundou em apenas 30 segundos, mas, devido ao risco de novos ataques japoneses, a Força Aérea norte-americana não procurou sobreviventes. Calcula-se que 115 homens tenham sobrevivido à explosão, incluindo dois dos cinco irmãos Sullivan, mas as forças navais não avançaram para o resgate durante vários dias e apenas 10 homens foram retirados da água, uma semana após o naufrágio.

A família Sullivan, do Iowa, perdeu os seus cinco filhos: George, Francis "Frank", Joseph, Madison "Matt" e Albert, apesar de já existir uma política naval que impedia os irmãos de servirem nas mesmas unidades. No entanto, os Sullivan recusaram-se a combater, a menos que fossem enviados para o mesmo navio.

As expedições patrocinadas por Paul Allen também resultaram na descoberta do USS Lexington (março de 2018), USS Indianapolis (agosto de 2017), USS Ward (novembro de 2017), USS Astoria (fevereiro de 2015), o navio de guerra japonês Musashi (março de 2015) e o navio italiano da Segunda Guerra Mundial Artigliere (março de 2017). A equipa de Allen também foi responsável por recuperar o sino do navio do HMS Hood.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.