Encontrado depósito de armas da ETA

As forças de segurança espanholas e francesas detiveram cinco pessoas e encontraram um depósito com armas, explosivos e material para fazer bombas que, segundo o Governo espanhol, fazia parte de "uma ação propagandística de entrega de armas".

O depósito foi descoberto na sexta-feira na localidade francesa de Louhossoa, a 30 quilómetros a este de Bayona e próxima da fronteira com Espanha, numa casa que é propriedade de uma jornalista do portal basco-francês Mediabask, que foi presa juntamente com outros quatro homens.

A jornalista é Beatrice Molle e dois dos outros presos são Michel Berhocoirigoiny, ex-presidente da Câmara Agrícola Euskal Herriko Laborantza Ganbara, e Jean-Noël Etcheverri, do grupo ecologista Bizi, segundo informações avançadas hoje à agência de notícias espanhola EFE por responsáveis da luta antiterrorista.

Na sexta-feira, o portal Mediabask tinha publicado cartas da ETA, nas quais a organização terrorista aceitava a mediação destas três pessoas e atribuía "à sociedade civil a responsabilidade política pelo desarme".

Segundo informações avançadas hoje pelo Ministério do Interior (MI) espanhol, o depósito descoberto na sexta-feira em França continha dezenas de armas, abundante quantidade de munições, explosivos e material para a confeção de artefactos e bombas.

Para o MI, a atuação das forças espanholas e francesas permitiram desativar "uma ação propagandística de entrega de armas".

Os investigadores acreditam que o material agora apreendido "iria ser usado para uma encenação semelhante à realizada em fevereiro de 2014", quando membros da ETA apresentaram uma "paupérrima amostra de armas".

O MI recordou que, em outubro de 2011, a ETA anunciou que iria cessar definitivamente a sua atividade armada, mas "ainda não entregou um único cartuxo e todo o material (bélico) que perderam foi por ação das forças de segurança".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.