Encontrado depósito de armas da ETA

As forças de segurança espanholas e francesas detiveram cinco pessoas e encontraram um depósito com armas, explosivos e material para fazer bombas que, segundo o Governo espanhol, fazia parte de "uma ação propagandística de entrega de armas".

O depósito foi descoberto na sexta-feira na localidade francesa de Louhossoa, a 30 quilómetros a este de Bayona e próxima da fronteira com Espanha, numa casa que é propriedade de uma jornalista do portal basco-francês Mediabask, que foi presa juntamente com outros quatro homens.

A jornalista é Beatrice Molle e dois dos outros presos são Michel Berhocoirigoiny, ex-presidente da Câmara Agrícola Euskal Herriko Laborantza Ganbara, e Jean-Noël Etcheverri, do grupo ecologista Bizi, segundo informações avançadas hoje à agência de notícias espanhola EFE por responsáveis da luta antiterrorista.

Na sexta-feira, o portal Mediabask tinha publicado cartas da ETA, nas quais a organização terrorista aceitava a mediação destas três pessoas e atribuía "à sociedade civil a responsabilidade política pelo desarme".

Segundo informações avançadas hoje pelo Ministério do Interior (MI) espanhol, o depósito descoberto na sexta-feira em França continha dezenas de armas, abundante quantidade de munições, explosivos e material para a confeção de artefactos e bombas.

Para o MI, a atuação das forças espanholas e francesas permitiram desativar "uma ação propagandística de entrega de armas".

Os investigadores acreditam que o material agora apreendido "iria ser usado para uma encenação semelhante à realizada em fevereiro de 2014", quando membros da ETA apresentaram uma "paupérrima amostra de armas".

O MI recordou que, em outubro de 2011, a ETA anunciou que iria cessar definitivamente a sua atividade armada, mas "ainda não entregou um único cartuxo e todo o material (bélico) que perderam foi por ação das forças de segurança".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.