Encontrado depósito de armas da ETA

As forças de segurança espanholas e francesas detiveram cinco pessoas e encontraram um depósito com armas, explosivos e material para fazer bombas que, segundo o Governo espanhol, fazia parte de "uma ação propagandística de entrega de armas".

O depósito foi descoberto na sexta-feira na localidade francesa de Louhossoa, a 30 quilómetros a este de Bayona e próxima da fronteira com Espanha, numa casa que é propriedade de uma jornalista do portal basco-francês Mediabask, que foi presa juntamente com outros quatro homens.

A jornalista é Beatrice Molle e dois dos outros presos são Michel Berhocoirigoiny, ex-presidente da Câmara Agrícola Euskal Herriko Laborantza Ganbara, e Jean-Noël Etcheverri, do grupo ecologista Bizi, segundo informações avançadas hoje à agência de notícias espanhola EFE por responsáveis da luta antiterrorista.

Na sexta-feira, o portal Mediabask tinha publicado cartas da ETA, nas quais a organização terrorista aceitava a mediação destas três pessoas e atribuía "à sociedade civil a responsabilidade política pelo desarme".

Segundo informações avançadas hoje pelo Ministério do Interior (MI) espanhol, o depósito descoberto na sexta-feira em França continha dezenas de armas, abundante quantidade de munições, explosivos e material para a confeção de artefactos e bombas.

Para o MI, a atuação das forças espanholas e francesas permitiram desativar "uma ação propagandística de entrega de armas".

Os investigadores acreditam que o material agora apreendido "iria ser usado para uma encenação semelhante à realizada em fevereiro de 2014", quando membros da ETA apresentaram uma "paupérrima amostra de armas".

O MI recordou que, em outubro de 2011, a ETA anunciou que iria cessar definitivamente a sua atividade armada, mas "ainda não entregou um único cartuxo e todo o material (bélico) que perderam foi por ação das forças de segurança".

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."