O mistério das 54 mãos escondidas numa mala

As autoridades iniciaram uma investigação após a descoberta de uma mala com 54 mãos cortadas pelos pulsos num rio, perto da fronteira com a China

É uma descoberta macabra. Uma mala com 54 mãos cortadas pelos pulsos foram encontradas na Rússia, num rio em Amber, a 30 quilómetros da fronteira com a China.

Primeiro foi encontrada uma das mãos, que levou depois as autoridades a descobrir a mala nas margens de um rio, perto da cidade Khabarovsk. Uma descoberta, no início deste mês, que chocou e assustou a população local.

Além dos membros, foram encontrados vários materiais usados em hospitais.

O mistério das 54 mãos cortadas pelos pulsos levou a várias teorias. Especulou-se que podia ser um ritual satânico, o resultado de um crime perpetrado pela máfia chinesa ou o resultado de um castigo aplicado a ladrões.

Mas o mistério foi desfeito. De acordo com o jornal The Siberian Times, o Comité de Investigação russo revela que sinistra descoberta não tem origem criminosa. As autoridades acreditam que "os objetos biológicos encontrados" são provenientes de um laboratório forense.

Tudo indica que as mãos foram cortadas numa instituição médica e que pertenciam a cadáveres. O resultado de um procedimento pouco conhecido na Rússia que leva laboratórios forenses a cortar mãos de modo a guardar as impressões digitais caso sejam necessárias após o enterro dos corpos.

A forma como as mãos foram descartadas "não é recomendada por lei", refere o Comité de Investigação, que continua a fazer averiguações sobre este caso.

Mas as explicações não convenceram muitos dos internautas chocados com a descoberta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.